Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2011

O MITO DA HOSPITALIDADE

COMO OS HOTÉIS PODEM MELHORAR SUAS RECEITAS EM ALIMENTOS E BEBIDAS

A maioria dos departamentos de alimentos e bebidas nos hotéis mostram‐se grandes desperdiçadores de dinheiro, após contabilizadas todas as despesas. Os hoteleiros costumam considerar o serviço de A&B uma cortesia – um mal necessário que deve ser oferecido aos hospedes para ser competitivo. Muito poucos operadores têm conseguido pensar além desse raciocínio e administrar o serviço de alimentação como faz um verdadeiro restaurateur.
Em termos de departamento, os custos de alimentos e bebidas para um hotel giram em torno de 78% a 90%, o que equivale a 10% a 20% de margem de lucro. As despesas atribuídas ao departamento de A&B incluem o custo real da comida e bebida vendidas, salários, material operacional, uniformes e lavanderia. Não estão inclusas no cálculo do lucro departamental de A&B uma série de despesas como as administrativas e gerais, custos de vendas e marketing, aquecimento, eletricidade, manutenção e reparos, taxas administrativas, impostos sobre a propriedade, seg…

SEGURANÇA NOS HOTÉIS

A Hotelaria é uma indústria de serviços e um bom serviço tem que incluir a segurança dos clientes. Um hotel com um excelente serviço, mas com uma política de segurança frágil poderia expor os hóspedes a riscos e comprometer a sua imagem e reputação. A verdade é que o cliente atual é mais sofisticado e exigente. Contudo, para atingir o grau de sofisticação do serviço oferecido, acompanhando os níveis de exigência do cliente, a indústria hoteleira vai ter que apostar cada vez mais na segurança. No fundo, os hotéis são responsáveis pela proteção dos bens e do bem-estar dos seus hóspedes. Quando os clientes se hospedam num hotel procuram desfrutar dos bons momentos, quer estejam de férias ou em viagens de trabalho. Para isso é fundamental que se sintam confortáveis para deixar os seus bens nos quartos e passear tranquilamente pelos espaços (interiores e exteriores) do hotel. Deste modo, a segurança deve ser encarada como um investimento essencial e não como uma despesa opcional. A instalaçã…

O PROFISSIONAL DO FUTURO NA HOTELARIA

Escrito por Mauro KalufNão me parece possível falar do profissional do futuro sem antes tentar compreender o que o futuro trará, ou como ele será. Certamente não é possível prevê-lo com exatidão, mas podemos estar atentos às tendências, e em minha opinião ninguém até hoje as avaliou tão bem quanto John Naisbitt, que escreveu alguns livros como Megatrends 2000, O Líder do Futuro, e Paradoxo Global. No início da década de 80, ele escreveu seu primeiro livro, prevendo para os 20 anos seguintes a crescente queda de barreiras rumo à globalização, a diminuição do poder dos Estados na economia, as ondas de privatizações, a individualização como cerne de um novo ciclo cultural humano, o crescimento do número de mulheres no mundo do trabalho, o renascimento das artes e da religiosidade, a migração do principal eixo econômico do Oceano Atlântico para o Pacífico e Índico, a constante miniaturização de equipamentos eletrônicos visando a redução de custos de transportes, entre outros. Seu mais novo l…