quarta-feira, 30 de novembro de 2011

O ERRO DA TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS NA HOTELARIA



De alguns anos para cá, a terceirização de alguns setores nos hotéis vem ganhando mercado e ao mesmo tempo preocupando os hoteleiros.

Existem os prós e contras nesse segmento, por um lado a empresa visando economizar em sua folha de salário procura contratar empresas de seguranças, equipes de limpeza, serviços de alimentos e bebidas, etc.  

Sou parcialmente contra a terceirização nos hotéis! A hotelaria é singular, quem faz a qualidade dos serviços são os funcionários do hotel, por mais que a empresa terceirizada tenha na sua equipe profissionais competentes, mesmo assim eles não tem o espírito da hospitalidade, não há comprometimento com a missão do hotel.

Dificilmente, veremos os profissionais terceirizados incorporarem as qualidades inerentes a todo profissional de hotelaria, por mais que suas empresas os treinem, ainda é deficiente.

Certo dia, estava em um hotel e procurei informações para uma senhora da limpeza em um dos corredores do hotel, a mesma humildemente disse que não era funcionaria do hotel e, não sabia me dar a informação. Dirigi-me ao segurança no lobby do hotel, que também não sabia me informar, pois não era funcionário do hotel.

Como pode perceber a frustração de um hóspede dentro do hotel quando se depara com uma situação dessas!

Cabe aqui uma reflexão; Na percepção do hóspede, todos dentro do hotel são funcionários! Seja seguranças, pessoal de limpeza, manutenção, camareira, manobristas, etc. E se por alguma razão um hóspede for mal atendido por uma dessas figuras, a imagem do hotel esta comprometida!

GRAND HOTEL CA’D’ORO – SÃO PAULO


O hotel era o preferido de presidentes, reis, rainhas e artistas.

Foto: Mestre na Arte de Bem Receber - O senhor Fabrizio Guzzoni, fundador do Grand Hotel Ca'd'ro. Excepcionalmente rigoroso em tudo, trabalhou firme até os ultimos dias de vida.

Devo admitir que o senhor Guzzoni, hoteleiro exemplar e foi ele que me inspirou e até hoje sigo seus conselhos e quase  tudo que pratico na hotelaria tem um  pouco da essência do mestre Guzzoni
Por três anos, trabalhei neste respeitável clássico da hotelaria paulistana. Sempre rigoroso com todos os detalhes, o mestre Guzzoni mesmo  na sua idade já avançada diariamente mantinha  sua rotina de trabalho.

Símbolo do charme de um centro paulistano que não existe mais, ao menos oficialmente, o Ca"d"Oro será reaberto nos próximos anos.



ILUSTRES HÓSPEDES

Em suas décadas áureas, o hotel - e o restaurante contíguo - era refinado ponto de encontro de autoridades, intelectuais e artistas. O pintor Di Cavalcanti (1987-1976) chegou a morar ali durante alguns meses. O poeta Vinicius de Moraes (1913-1980) e o escritor norte-americano Gore Vidal também eram figurinhas fáceis pelos corredores.

Entre os autógrafos orgulhosamente colecionados pela administração do hotel - conseguidos quando os ilustres ocupavam uma suíte ou uma mesa do restaurante -, estão nomes como o do poeta chileno Pablo Neruda (1904-1973), do cientista norte-americano Linus Pauling (1901-1994), dos escritores Jorge Amado (1912-2001) e Rachel de Queiroz (1910-2003), do cantor Roberto Carlos, do apresentador de televisão e empresário Silvio Santos e do ex-jogador de futebol Pelé. Além de políticos, como o estadista francês François Mitterrand (1916-1996), o ex-governador paulista Mário Covas (1930-2001), o rei espanhol Juan Carlos I e os ex-presidentes brasileiros Ernesto Geisel (1907-1996) e Jânio Quadros (1917-1992).

Quando se submeteu a tratamento médico em São Paulo, o então presidente João Batista Figueiredo (1918-1999) chegou a despachar de uma suíte no Ca"d"Oro. Em 1991, o tenor Luciano Pavarotti (1935-2007) ocupou um dos luxuosos quartos - que foi totalmente reformado para recebê-lo.

A história do empreendimento começou em Bérgamo, na Itália. Em um dos hotéis da família, Fabrizio Guzzoni (1920-2005) conheceu uma brasileira, com quem viria a se casar. Já em São Paulo, inaugurou o Ca"d"Oro - primeiro como restaurante, em 1953, na Rua Barão de Itapetininga. Três anos depois, na Rua Basílio da Gama, nascia o hotel. Poucos anos mais tarde, com 300 apartamentos, Guzzoni instalava seu negócio no endereço definitivo, na Rua Augusta.

Para se ter uma idéia de como o Ca"d"Oro prezava a elegância, até 1962 era proibida, em seu restaurante, a entrada de homens sem gravata. Havia até uma placa, oficializando a norma. Depois, a regra foi abrandada - era exigido apenas o paletó, embora dificilmente algum freqüentador dispensasse a gravata. A administração mantinha paletós para emprestar a algum desavisado.


sexta-feira, 25 de novembro de 2011

PROSTITUIÇÃO NOS HOTÉIS

                                    Turistas Indesejaveis  na Hotelaria

Inicio este artigo com uma critica sobre a administração de alguns hotéis do nordeste mas precisamente, Recife e Fortaleza no que diz respeito aos  estrangeiros que visitam essas belas cidades.

Lembro-me, quando alguns anos atrás haviam vôos fretados da Europa, principalmente da Alemanha, esses vôos denominados de charters  chegavam aos montes na cidade de Recife, onde esses turistas que na sua grande maioria eram  operários; pedreiros, garis, ou seja  os famosos “ pinhões”, por serem loiros  e com alguns  dólares no bolso atraiam as meninas pobres que muitas das vezes esperavam esses vôos no aeroporto unicamente para marcar encontro e se prostituirem.

Os hotéis por sua vez para não perderem os seus “turistas do sexo”, sempre foram tolerantes e coniventes com essa pratica lastimavel e abominável na hotelaria, a prostituição.

Como Gerente Geral,  sou radicalmente contra prostituição dentro do hotel, lamentavelmente não podemos proibir a entrada dessas profissionais do sexo por razões de discriminação, etc. porém tenho toda liberdade de pedir para o hóspede fechar sua conta e dirigir-se a outro hotel  qualquer, caso haja algum incomodo ou algazarras.

Na minha administração, tolerância zero para  qualquer funcionário  que se atreva a dar informação, ou mostrar “ books”,  fotos,  telefones, ou seja lá o que for que denomine incentivo a prostituição, ele será demitido.

Na verdade, existe sim garotas de programas com  boa postura e educação e que muito das vezes o hotel não percebe, chegando a  confundir se como uma esposa ou namorada de um hóspede, porém são poucas que se comportam assim. Na grande maioria são vulgares e incomoda outros hóspedes no hotel, principalmente famílias e senhoras.

O correto e é  dever dos funcionários da recepção orientar os hospedes para não trazerem suas “primas” para o hotel, e se as trouxerem é dever da recepção cobrar o adicional, pedir o preenchimento da FNRH, registrar e pedir a assinatura do hóspede na mesma. Esse procedimento evita muitas dores de cabeças  futuras.


Certa vez, fui gerenciar um hotel e na primeira semana me deparei com a seguinte situação:

Lá pelas dez horas da noite  observei que aglomeravam-se algumas “mocinhas” na frente do hotel, funcionários do hotel, taxistas, e logo percebi que havia um “ comercio”, naquelas panelinhas, não foi pra menos, descobrira que os recepcionistas,mensageiros, os seguranças e taxistas faziam uma espécie de comissionamento dos programinhas, negociavam com os hóspedes, agendava as priminhas, taxista pagava gorjeta, etc. enfim um verdadeiro mercado de sexo na frente do hotel.

Fui obrigado a acabar com essa farra, demiti todos os funcionários da recepção e  aqueles que estavam envolvidos, tirei os taxistas  do hotel, ou seja limpei a frente do hotel.

Dias depois entra na minha sala dois hospedes  muito irritados se queixando do porque que eu tinha demitido, fulano e cicrano e também da expulsão das garotas de programa! E para minha surpresa muitos outros hospedes também começaram a reclamar, e vieram as ameaças; que iriam sair do hotel e iriam para o concorrente, que iriam telefonar para suas empresas e descredenciar o hotel, enfim foi realmente e que aconteceu! Em trinta dias quase cinqüenta hospedes habitues deixaram de freqüentar o hotel.

O proprietário do hotel veio se queixar da baixa ocupação que se dera em conseqüência da minha reforma radical no hotel.

Disse-lhe para não se preocupar pois estava mudando a imagem do hotel , que lamentavelmente tinha a fama de ser um “ bordel”, e foi isso que aconteceu em seis meses ganhamos novos hospedes, famílias inclusive aqueles  habitues  agora traziam suas famílias para o hotel.

Cabe aqui um conselho para os dirigentes de hotéis;  se o seu hotel é freqüentado por “turistas do sexo”, e acredita que se proibir a circulação das “ primas” no seu hotel perderá hóspedes, me desculpe você  está no lugar errado!  Um profissional hoteleiro é inabalável na sua contuda pela Arte do Bem Receber, Caso seja conivente com essa pratica no hotel,  você é um  medíocre e  incentivador da prostituição, e isso é crime!

Cliente Oculto: O segredo da excelência



Em diversas ocasiões nas viagens pelo Brasil, quando trabalhava no Guia Quatro Rodas, ouvi a seguinte frase de donos de hotéis indignados:- Mas por que meu hotel não tem uma classificação superior? Somos os melhores da região!
Infelizmente, naqueles momentos, não podia apontar todos os erros que encontrava naquele determinado estabelecimento – afinal, aquele não era um trabalho de cliente oculto, mas sim uma avaliação para um guia de turismo onde uma das regras era o sigilo absoluto de informações. Porém, tinha muita vontade de sair apontando os erros que encontrava hotel adentro. Detalhes como a piscina suja, o enxoval puído, o atendimento amador, um café da manhã desleixado – só para citar os itens com problemas mais usuais.

Contudo, esse tipo de questionamento – na maioria das vezes indignado – por parte dos hoteleiros indica um grave problema que ocorre com freqüência no setor: pouca gente conhece a concorrência.

Certa vez, em um hotel de grande porte em São Bernardo do Campo, Região metropolitana de São Paulo com forte vocação para negócios, quase fui mantido refém pelo gerente e um dos donos (a administração era familiar). Eles queriam a todo custo entender os motivos pelos quais um outro hotel, menor fisicamente, mas muito melhor cuidado, estava classificado na frente deles. Foi uma situação de extrema saia-justa que acabei contornando da seguinte maneira:

Sem revelar detalhes de nenhuma das avaliações, perguntei a esses senhores se alguma vez eles já haviam se hospedado na concorrência ou ao menos visitado suas instalações. Eles me olharam como se tivesse dito uma blasfêmia e “me liberaram” de muito mau humor, ainda convencidos de que eram os líderes na região. Ledo engano.
Só para ilustrar a falta de rumo dessas pessoas, alguns meses depois, uma prima, executiva de um grande banco, fez parte de uma conferência regional e ficou hospedada neste mesmo estabelecimento com uma equipe de mais de 40 pessoas. Saiu de lá horrorizada com a falta de cuidado, com a decadência e até sujeira das salas de convenção e com o aspecto envelhecido dos apartamentos e seus equipamentos. Ela me contou que precisou até comprar uma toalha para tomar banho: não teve coragem de usar o “pano de chão” oferecido pelo hotel. Pergunta: você, como consumidor, voltaria nesse hotel?
Moral da história: é preciso, sim, conhecer o hotel do vizinho para saber quais são os pontos positivos do concorrente e, assim, reforçar os próprios serviços. Essa regra é válida tanto para a pequena pousada quanto para um grande resort ou hotel de negócios.
É preciso viajar para cidades com a mesma vocação de onde você mora (praia, campo, negócios), conhecer outros estabelecimentos, ficar atento às novidades do setor, inovar sempre. Sim, dá trabalho, é preciso investimento, mas no mundo atual empresas de qualquer segmento buscam excelência. Quando compramos uma mercadoria, qualquer que seja, buscamos preço e qualidade. Se observamos que aquele determinado produto não atende mais às nossas expectativas, passamos a consumir o da concorrência, mudamos de marca e ainda criticamos a falta de comprometimento do outro, de menor qualidade. Com a hotelaria é a mesma coisa.
Sair da zona de conforto é uma premissa. Não vale afirmar que é o melhor sem nem mesmo conhecer o que o vizinho oferece. Mesmo porque, os brasileiros viajam cada vez mais e nem sempre são fiéis a uma mesma cidade e muito menos de um estabelecimento que não lhes ofereceu uma experiência positiva. Se um hotel não atendeu às suas expectativas, basta confrontar a opinião de guias especializados, de amigos e das redes sociais, onde é fácil de encontrar a opinião de antigos hóspedes. E não adianta nem fazer cara feia: qualidade é um item cada vez mais valorizado no mercado. Que tal usar o cliente oculto para conferir o que a concorrência anda aprontando? Pode ter certeza que você não irá se arrepender!
  
Artigo de Marcos Galvez – revista hotéis

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

MODELOS DE GESTÃO DE HOSPITALIDADE



ORGANIZAÇÃO

Gestão do Conhecimento: Mapeamento do conhecimento, identificação de gaps do conhecimento, aplicação de metodologias e ferramentas nas principais etapas da gestão do conhecimento: criação, transmissão, armazenamento e aplicação deste valioso ativo intangível.

Implantação de Hotéis e Restaurantes: Coordenação das atividades operacionais e comerciais necessárias para a abertura bem-sucedida de seu empreendimento. Desde a criação dos padrões e processos, passando pelo recrutamento, seleção e capacitação da equipe, até a operação da abertura e dos primeiros dias de funcionamento.

Asset Management: Fazemos a gestão de sua carteira de investimentos em hospitalidade de forma a garantir a máxima rentabilidade em cada negócio.

Planejamento Estratégico: Desenvolvimento e estabelecimento do planejamento estratégico da sua empresa, incluindo, se necessário, a criação da missão, visão e valores e o estabelecimento dos principais objetivos a serem alcançados. Alinhamento da organização, desmembramento da estratégia de acordo com as unidades de negócios, áreas de atuação e áreas funcionais, planejamento das operações, desenvolvimento orçamentário, monitoramento e melhoria contínua.

Gestão por Processos: Organização de todas as etapas e atividades que contribuem para o alcance dos objetivos estratégicos da empresa de forma a garantir a correta execução das mesmas através da elaboração de políticas, processos e procedimentos estruturados e disponíveis em plataformas físicas e virtuais.
Gestão de Resultados: Alinhamento e gestão dos resultados de acordo com a estratégia da empresa, criação de indicadores e formas de monitorá-los (balanced score card), instrumentos de previsão de resultados (forecast), tratamento de não conformidades e correção, possibilitando a reversão de resultados abaixo das metas, além das auditorias de resultados.

Auditorias de Qualidade e de Resultados: Verificação dos níveis e padrões de qualidade dos produtos e serviços, bem como dos resultados alcançados.

Cliente Oculto: Auditoria dos produtos e serviços através do formato de cliente oculto, identificando características de como o serviço é prestado de forma realista.

Identidade e Cultura Organizacional: Auditoria cultural e identificação dos principais propósitos, crenças e valores da organização. Criação de um programa de divulgação, fortalecimento e replicação de tais elementos por toda a empresa.


PESSOAS

Treinamento e Desenvolvimento: Treinamentos interativos com temática variada e de acordo com a necessidade de sua empresa, para áreas específicas ou para toda a equipe.

Programa de Formação de Líderes: programa in company, customizado para sua empresa com o objetivo de capacitar líderes de acordo com os conhecimentos, habilidades e atitudes necessários para a boa gestão de equipes e o alcance dos resultados.

Executive Headhunting: recrutamento e seleção do profissional mais adequado para o perfil da sua empresa.
fonte: mapie.com.br

A PRIMEIRA IMPRESSÃO - O MAL ATENDIMENTO NO HOTEL


 
Aqui estou mais uma vez com um case  sobre um péssimo serviço de um determinado  hotel. Fui convidado por um hoteleiro – digo hoteleiro  e não dono de hotel– porque só  hoteleiros   tem a sensibilidade e visão para contratar um consultor para seu hotel.
Numa sexta-feira às 13h20 minutos  ligo para o hotel  para efetuar minha reserva como Mr Shopper ( Hóspede oculto e me deparo com a seguinte  situação:

Eu: O telefone chama, chama, chama, chama, chama, chama, chama, chama , depois da oitava chamada alguém atende e diz:  Alo!

Alo?  Será que eu ouvi direito? E do outro lado quem atendia era o mensageiro, perguntei se eu estava chamando o  hotel X, pois  imaginei que tinha chamado uma residência qualquer.

Pedi para me transferir ao setor de reservas, e para minha surpresa...
Mensageiro: Senhor a moça de reservas está no horário de almoço, volte a chamar depois!

Eu: mas eu gostaria de fazer minha reserva agora, haja vista que  estou em transito na cidade e preciso já deixar confirmado minha reserva.

Mensageiro: Sinto muito senhor, mas só a moça da reserva  é que tem autoridade para fazer reservas.

Eu: Por favor você poderia chamar o recepcionista, ou sua supervisora?

Mensageiro: Um momentinho senhor...

Fiquei esperando  exatamente quatro minutos que me pareceu uma eternidade e do outro lado ouvi gargalhadas, e alguém pega o telefone e diz: pois não?

Já estava entendendo perfeitamente o problema daquele hotel. Disse, eu sou  José Eduardo e gostaria de fazer uma reserva  para amanhã você pode me ajudar? Por favor qual o seu nome?

É  a recepcionista senhor, mas vou logo lhe dizendo que reservas é só com o departamento de reservas e a pessoa que faz está no horário de  almoço.

Eu: Ok  muito obrigado, eu volto a chamar depois.
A recepcionista: tabom! Desliga o telefone sem interesse nenhum!

Bom, minha primeira impressão foi das piores em relação ao primeiro atendimento daquele hotel. Meus caros leitores já pode imaginar o que  vem pela frente.
No dia seguinte, la vou eu fazer um  walk-in  já sabia que havia disponibilidade naquele hotel porque estava com diversos relatórios que me foram entregues pelo proprietário do hotel.
Exatamente 15 horas  em ponto chego de taxi na frente do hotel,percebi que não havia nenhum mensageiro para carregar minha bagagem.
Ao chegar no balcão da recepção me deparei com o seguinte cenário:
Haviam cinco recepcionistas, e percebi que era uma troca de turno, o da manhã com o da tarde. E  nenhum deles percebeu minha chegada, estavam discutindo detalhes da escala de folga, e lá fiquei  assistindo aquele espetáculo de desordem! Meu estomago embrulhava e finalmente falei:

Boa tarde! Olá  boa tarde! – parecia que eu estava invisível!

Um deles me olha e diz, um momentinho senhor...

E finalmente um recepcionista  mal humorado, não tinha feito a barba, estava com uma cara de sono, veio me atender.
Recepcionista:  o senhor tem reserva? Nem se quer me deu boa tarde, nem um sorriso, tão pouco boa vontade percebi naquela criatura.

Eu: Não, mas acredito que vocês tenham disponibilidade. Mal sabia ele que eu estava ali  para investigar tudo.
Recepcionista: - É  só preencher essa ficha!, E me entregou uma caneta com a tampinha mordida, isso mesmo, uma caneta velha com a tampinha mordida  por algum troglodita.
Eu:  qual tipo  de apartamento vocês tem disponível?

Recepcionista: temos todos  senhor – como se o cliente fosse obrigado a saber de todos os tipos de apartamentos de um hotel de 280  quartos.- eu sabia quais tipos, como disse, estava de posse de relatórios  com informações das operações do hotel.

Eu: Vou  ficar  três dias e preciso de um quarto silencioso e que seja de fundos.

Recepcionista: bom,  agente tem apartamentos e não quartos senhor! o mais barato custa  duzentos e cinqüenta reais mais as taxas de serviço de 10%.
Naquele momento minha cabeça rodava, parecia que estava em um território inimigo, me senti como se estivesse nas masmorras medievais, me sentia péssimo e ao mesmo tempo satisfeito porque já tinha uma impressão quase completa dos problemas daquele hotel.
Eu: Ok posso ficar com o mais simples.
Entreguei minha fnrh com a canetinha mordida, ele me entregou a chave e perguntei qual era meu andar e pedi que um mensageiro me ajudasse com a bagagem.
Não acreditei quando ouvi um verdadeiro absurdo de ironia por parte daquele recepcionista.
Recepcionista: senhor o número do seu apartamento está no seu cartão, e que fica entre o sétimo e nono andar, ou seja no oitavo andar, no momento o mensageiro ainda não chegou,pediria que o senhor esperasse até ele chegar, pode ser?
Eu:  bem eu vou para meu apartamento e pode levar minha bagagem depois.
Recepcionista: tá, sem problemas.
Subi pelo elevador e ainda não estava acreditando no que tinha presenciado até aquele momento, fiquei imaginado como seria a minha estadia, e caro leitor pode apostar que vem mais pela frente.

Analisando os episódios- Momentos da Verdade- podemos concluir que:
MV 1 - O sistema de reservas em qualquer hotel deve ser 24 horas por dia, independente se é feriado, final e semana, hora de almoço, madrugada., etc. É imprescindível que todo atendente no front saiba efetuar uma reserva  é lamentável o fato ocorrido neste  hotel.
MV2 -Importantíssimo que tenha um funcionário na portaria  do hotel, ou seja, um capitão porteiro, um mensageiro ou mesmo o gerente, seja lá quem for, mas é de vital importância que o cliente seja bem recebido antes do seu check in.
MV3- A recepção  desse hotel é um verdadeiro matadouro! Todos erraram! onde já se viu um hóspede chegar no balcão de recepção de um hotel  e depara-se com recepcionistas desleixados, mau humorados e acima de tudo irônicos? Uma verdadeira falta de respeito.
MV4- o fato de não haver um mensageiro naquele momento é até compreensível, porém errou o recepcionista que não teve atitude de ajudar o hospede com sua bagagem, haja vista que haviam  outros funcionários na recepção. O horário pontual em que cheguei para efetuar o meu check in foi proposital porque eu sei que é um horário de mudança de turno  nos hotéis e o turno da manhã  obviamente estava indo embora e claro, jogaram o “ abacaxi” para o próximo turno.
Contextualizando,  a recepção  é o principal cartão de visitas de todo hotel, é preciso manter funcionários treinados e capacitados para atender muito bem seus clientes, não só basta sorrisos e lindas recepcionistas, é preciso contratar pessoas  com espírito de equipe, gostar de gente, trabalhar em equipe, enfim menos  manter esses  terroristas  numa recepção.
Até aquele momento minha percepção foi das piores em relação a minha primeira impressão.
Vamos para o segundo episodio...
Ao chegar no meu quarto, me deparei com a seguinte situação:
Não encontrava o controle remoto do ar condicionado, e liguei para recepção pedindo para alguém vir até meu quarto e ligar o ar condicionado e esperei... 24 minutos se passaram  e me aparece um senhor de meia idade com uma barba horrível, cheirando mal tanto de cigarro como de higiene e ainda perguntou se havia algum problema no quarto!
Disse-lhe que não encontrava o controle remoto do ar condicionado.
Ah! meu senhor essas coisas sempre acontece  por aqui são os próprios hóspedes  que roubam os controle do hotel, sabia?
Não, não sabia, verdade?
Se é verdade?, ham, muitos  hóspedes roubam de tudo! Eu já falei pro gerente mas ele não entende nada de hotel, eu já trabalho aqui “fazem” dois anos e sempre entra gerente e sai gerente e não resolvem nada.
E o senhor gosta de trabalhar  aqui  no hotel?
Quem eu? Sei lá, eles estão pegando meu salário direito, mas vou ficar aqui até encontrar algo melhor. Bem senhor, em vou buscar um controle pro senhor de outro apartamento.
E retorna com um controle remendado com fita isolante e pede para que eu tome cuidado, pois só poderia conseguir aquele porque era para mim! acredite!
Liguei novamente para recepção pedindo a minha bagagem que até então ainda não tinha  sido entregue pelo mensageiro.
Por fim, resolvi tomar uma ducha e por as idéias para relaxar. No banheiro as toalhas pareciam  “pano de chão”,  nunca vi um absurdo daquele, um hotel de nível executivo e oferecia aos seus  hóspedes  toalhas de péssima qualidade, encardidas e com aspecto desgastado pelo tempo de uso.
Os ammenities -  sabonete e xampu- de qualidade inferior , os mais baratos do mercado, preferi comprar um sabonete na farmácia do que tomar banho com aqueles  sabonetes  barato de motéis.
Já era noite e resolvi  jantar, adentrei no restaurante e não havia nenhuma alma viva para me receber, sentei numa mesa que por sinal a toalha estava suja e com migalhas de comida que acredito que fora ainda do almoço, o piso estava sujo, cadeiras e pés de mesas empoeirados.E finalmente veio o garçom.
Pedi o cardápio e observei naquele “ garçom”  uma tremenda falta de higiene, unhas sujas, sapatos com aspecto horrível, colarinho sujo, uniforme velho e abarrotado, meu estomago embrulhava e resolvi não comer naquele hotel, pedi apenas uma água e fui a um restaurante próximo do hotel.
Retornei para o hotel e já era  próximo da meia noite pedi para recepção me acordar as 6h da manhã e  fui para os braços de Morfeu.
Despertei as 8h da manhã, assustado por não ter tido meu despertar efetuado pela recepção conforme havia solicitado.
Me dirigi a recepção para saber do porque de não ter sido despertado, a recepcionista olha em um relatório e diz:  senhor José sinto muito mais não consta seu pedido de despertar anotado no relatório de wake up!
Não fiz mais comentário, naquela ocasião já entendia perfeitamente que o recepcionista da noite esquecera-se de anotar meu pedido.
E fui tomar meu café da manhã, ao entrar no restaurante me deparei com um verdadeiro campo de batalha, atendentes correndo, café frio, frutas com aspecto ruim, frios de qualidade inferior e duvidosa, mesas desarrumadas, desleixo total no ambiente, enfim estava claro que existia um problema na  administração daquele hotel.
Limitei-me  apenas a tomar uma xícara de café - frio- e um pãozinho com manteiga e para completar  estava com data de validade vencida a duas semanas!
Tudo isso parece ser piada, ou uma pegadinha, mas é pura verdade eu estava naquele hotel apenas um dia e já me deparava com os horrores.
Como um  hóspede qualquer fui sentar no lobby da recepção e comecei observar o elenco daquela comedia, peguei o jornal e ao ver a data era de três dias atrás, porém meu objetivo era observar o show de horrores.
O mensageiro; sem postura barba por fazer, mascava chiclete e preferia ficar dentro da recepção navegando na internet, completamente indiferente com os transeuntes e portaria.
Os recepcionistas ou melhor dizendo os “decepcionistas “, sempre com piadinhas e gargalhadas também indiferentes com a presença dos hóspedes.
Eu já não precisava ficar mais três dias naquele hotel para captar dados para meu relatório, o que eu tinha já era suficiente  e finalmente marquei a reunião com o proprietário do hotel no dia seguinte, pois precisaria completar algumas informações  para o mesmo.
O hotel daquele senhor realmente estava com  sérios problemas de administração hoteleira, e por ultimo  precisaria avaliar o gerente geral, ou seja analisar o currículo, sua experiência, etc.
O gerente um rapaz de vinte nove anos, formado em administração de empresas, era o noivo da filha do proprietário, já comecei  a entender o fio da meada.
Não tinha nenhum compromisso com suas responsabilidades de gerente geral, não entendia nada de hotelaria, nunca trabalhou num hotel, não tinha nem mesmo feito um curso  de hotelaria,  tão pouco lido um livro do gênero.
Chegava no hotel com seu carrão, mau cumprimentava os funcionários, tinha dia que não aparecia no hotel, e nos finais de semana juntava os amigos e parentes para beber uísque na piscina do hotel com suas músicas - forró - não tenho nada contra a forró, porém bem longe de fazer parte do repertorio musical da sonorização ambiente de um hotel.
Finalmente, entreguei o relatório ao proprietário, o mesmo ficou impressionado com tudo aquilo, e se culpava por não ter percebido tantos absurdos que estavam embaixo do seu nariz.
Ele me agradeceu muito e desde então começou a por em pratica todos  as informações que eu havia  lhe passado. Demitiu seu genro e contratou um novo gerente geral – profissional. três meses se passaram e eu retornei nas mesmas condições e percebi o quanto aquele hotel havia mudado! Parecia que estava em outro ambiente, funcionários  atenciosos, todos aqueles parasitas havia sido substituídos, finalmente fiquei tão feliz e claro o proprietário me indicou para outro hotel, cujo o proprietário era seu grande amigo.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Valiosas dicas para alavancar os serviços do seu hotel


Muitos leitores dos meus artigos têm me indagado sobre como aumentar as vendas em suas empresas ou como divulgar melhor sua marca. Estes, empreendedores por natureza, muitas vezes, sem uma assessoria de marketing que lhes seja realmente útil ou a um preço acessível, se sentem à deriva neste revolto mar de negócios que abrem e fecham a cada ano. Preste atenção no caso que lhe contarei abaixo:
Há poucos meses procurei por um hotel ou pousada em algum lugar próximo de Campinas. Para a pesquisa utilizei a Internet: o site do Google. Encontrei pela rede global uma pequena pousada em Brotas. Na semana seguinte, como todo turista, parti para minha viagem sem saber ao certo o que me esperava.
Ao chegar, num ambiente bastante acolhedor e com uma rapidez pouco comum no check-in, fui presenteado com um ótimo atendimento e uma sucessão de sorrisos que me deixaram bem à vontade.
Antes de entrar no meu quarto, uma pequena surpresa: ganhava em uma embalagem de papel reciclado - artesanalmente decorado com desenhos infantis de pequenos hóspedes que já tinham passado por lá - uma bela camisa da pousada e uma revista de roteiros de viagens com uma capa especialmente confeccionada para seus visitantes e hóspedes com uma foto da própria pousada. Ao preencher a ficha cadastral, comecei a concorrer a um passeio gratuito pelas cachoeiras de Brotas. A pousada acabara de me surpreender de verdade.
Com um leve aroma de cloro vindo da piscina e a tranqüilidade de Brotas, dormi. Na manhã seguinte, um importante diferencial da Pousada me era apresentado: um café da manhã de deixar hotel cinco estrelas boquiaberto. E mais: parecia que todos os funcionários daquele local estavam ali unicamente para me servir e estavam me esperando já há alguns anos. Tenho certeza de que cada um dos outros hóspedes sentiu algo semelhante. Não me contive, elogiei o café da manhã antes de ir embora como quem agradece por um presente.
Poucas semanas após voltar para a correria da cidade, um e-mail da Pousada chegava a minha caixa postal com sugestões de pousadas de todo o país que também tinham ponto de Internet no quarto, quadra de tênis – meu esporte favorito - e todas recomendadas pelo excelente café da manhã. Pronto, eles acabavam de ganhar, não só um cliente, mas um divulgador incondicional de seu trabalho, o que eu chamo de jesuíta – aquele cliente que divulga a marca da empresa sem ninguém perguntar nada.
Após esse relato, vou lhe propor um jogo: vamos esmiuçar o sucesso dessa pousada para que você possa utilizar algumas de suas técnicas de marketing (que em diversos livros recebem nomes complicados e em inglês) na sua empresa.
1. Use e abuse da Internet e entre na globalização pela porta da frente
A Internet é como uma praia em que o rico e o pobre se misturam e que, mergulhados na água, não se distingue um do outro. Uma maneira barata da Oficina do Joel se igualar à Bosch. A empresa que não está conectada perde, dia-a-dia, mercado para as que estão. Um pecado capital nos dias de hoje é não ter uma home-page. Se até pessoas físicas estão montando seu site para divulgar seu currículo e se mostrar para o mercado, porque ainda existem empresas que não o tem?
Em um próximo artigo darei diversas maneiras para você divulgar o seu produto através da rede mundial de computadores de uma maneira barata, eficaz e de retorno rápido e garantido.
2. Podem dizer o que quiserem, mas a primeira impressão é a que fica, sim!
Há aqueles que prezam a limpeza, há os que, o mais importante para eles, é a boa vontade dos funcionários e outros que nunca voltarão a um estabelecimento se o atendimento for de baixa qualidade. Na dúvida sobre qual deles é o seu cliente, agrade a todos.
Aproveite os primeiros minutos para se identificar com o seu cliente, ou perca-o para sempre. Um atendimento impecável, um ambiente limpo, acolhedor e agradável e boa vontade de todos os funcionários para com o cliente tem o poder de um presente inesperado.
3. Pode parecer chavão, mas é verdade: você tem que surpreender o cliente a todo o momento
É claro que não podia deixar de comentar da camisa e da revista com capa personalizada, tenho-as até hoje. Algumas empresas parecem ter sido criadas com o dom de surpreender. Surpreender é fazer com o cliente tenha uma experiência única e inesquecível a cada instante.
Pense o que pode fazer para surpreender o seu cliente, posso lhe garantir que soluções que surpreendem são, geralmente, muito baratas, criativas e faz sua empresa ganhar muitos pontos no jogo do mercado.
4. Faça parcerias! Faça parcerias! Faça parcerias! Faça parcerias!
Repetiria mil vezes se houvesse espaço. Você nunca ouviu dizer que o ser humano foi feito para viver em grupos?
Uma empresa sozinha no mercado, sem parceiros, é devorada em pouco tempo pela concorrência. Faça parcerias!
Preste atenção nesta dica. Mensalmente, editoras do Brasil inteiro recolhem a sobra das revistas publicadas não vendidas ao longo do mês. A Pousada, simplesmente aproveitou essa informação de maneira criativa, fez uma parceria com uma editora e, em troca de divulgar o nome da revista, através de exemplares antigos, para os hóspedes (um público-alvo qualificado e segmentado) a Pousada ganhou uma capa personalizada.
Faça parcerias com empresas que tenham negócios afins ao seu ou o mesmo público-alvo e fortaleça-se. Porque não comprar um mailing-list e sortear algum prêmio em conjunto? Já pensou nisso?

5. Todos os funcionários têm que ter a medida exata da filosofia da empresa e estarem motivados para segui-la

Uma reclamação muito comum entre empresários é a de que os seus colaboradores estão constantemente desmotivados e não apresentam iniciativa alguma no trabalho. Uma boa maneira de sanar esse problema é a sua empresa ter uma missão ou filosofia bem clara e divulgá-la para todos os membros da equipe.
Quando o colaborador tem na missão da empresa o seu norte, as iniciativas e o comprometimento ocorrem naturalmente
Imagine a seguinte cena: perguntaram para um pedreiro que colocava tijolo sobre tijolo na construção da Disney o que ele estava fazendo, ele respondeu – "Estou construindo o maior centro de entretenimento e lazer do mundo". Isso é ter noção da missão da empresa.
A missão dessa pousada? Sinceramente, não sei, mas não deve ser algo muito diferente do que "atender a cada um dos hóspedes como se ele fosse único".

6. Tenha um diferencial ou "A mágica que faz a concorrência desaparecer"

Para quem leu o Pequeno Príncipe, em uma determinada passagem, a raposa fala para o príncipe: "Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos. (...) Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante. (...) Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela tua rosa..."
Rosas, digo, empresas, existem muitas. A partir do momento, porém, que sua empresa apresenta um diferencial, ou seja, se apresenta de maneira relevante e única para o seu cliente, se torna essencial. Lembre-se sempre de que o seu cliente, ao comprar, leva em conta muito mais a emoção do que a razão. Se você o tiver cativado através dos seus diferenciais em atendimento, follow-up, prazo, descontos e outras vantagens, será único para ele.
Há um outro fator: além de a sua empresa ter um diferencial, ele tem que estar em sintonia com o seu público-alvo. Não adianta fabricar o carro mais veloz se você os vende para senhoras com mais de 60 anos. Um diferencial torna a empresa especial e quanto maior a identificação do seu cliente com ele, mais a sua empresa será única e portanto, sem concorrentes.
Quando era coordenador pedagógico de um grande curso pré-vestibular na cidade de Campinas, implantei o sistema de provas semanais dissertativas. Os outros "cursinhos" passaram a fazer parte do enorme grupo dos que não tinham esses testes semanais. Isso é criar um diferencial competitivo visando o público-alvo.

7. Crie galinhas dos ovos de ouro no seu quintal

Uma empresa que fideliza seu cliente cria galinhas de ovos de ouro. É sabido que é mais lucrativo vender novos produtos para os antigos clientes do que conseguir novos clientes para vender os produtos antigos, principalmente na crise. Mas para tal, você precisa ter clientes fiéis ao seu produto.

Para fidelizar o seu público, você precisa, antes de tudo, conhecê-lo. Faça com que todos que entram em contato com sua empresa preencham uma ficha de cadastro. Não uma ficha comum, mas com as perguntas realmente importantes: esporte favorito, idade dos filhos, passatempos e o que achou do serviço da sua empresa dentre outras. Como ninguém gosta de perder tempo preenchendo fichas, para estimulá-lo, você precisa dar algo em troca. Isso faz com que ele aceite a tarefa de maneira mais afável. Lembre-se: essas informações valem ouro.
Utilize essa informação a favor dele (e a seu favor). Um simples e-mail ou telefonema umas duas semanas depois do cliente ter tido contato com o seu produto costuma ser mágico! Pergunte se ele precisa de algum auxílio ou se tem alguma sugestão para melhorar os seus serviços. Mostre que você se preocupa com ele.

8. Faça de seus clientes, vendedores

Encante seu cliente e ele venderá seus serviços ou produtos de maneira brilhante.
Uma indicação de um amigo vale mais do que mil propagandas no horário nobre da TV. Faça com que seu cliente venda o seu produto e faça propaganda dele gratuitamente através de uma opinião favorável, de uma camisa, de um cd personalizado, de qualquer lembrança que seja útil, única ou especial para ele.
Uma dica, um cliente só se torna vendedor daquela empresa ou produto que lhe encantou, que superou suas expectativas. Se você fizer tudo certinho, não conseguirá clientes-vendedores, você tem que fazer algo a mais. Surpreender.

9. Uma última dica: "Case" tem que ser o dia-a-dia

Você já ouviu algum "case" de rapidez em atendimento do Mac Donald´s? Ou de criatividade da 3M?
A rotina da sua empresa tem que ser um "case" de sucesso. Se você e seus funcionários seguiram as dicas acima, não há porque temer a crise ou o momento economicamente difícil de nosso país, a sua empresa está fadada ao sucesso.
fonte: www.ecivilnet.com

O DIFERENCIAL NOS HOTÉIS PARA ENCANTAR OS HÓSPEDES

Amenities são tradição na hotelaria

Hoje no concorrido mercado hoteleiro, os diferenciais são decisivos para marcar o sucesso ou fracasso de um empreendimento diante da extrema competitividade do mercado. E os amenities podem agregar bastante valor quando a palavra de ordem é gerar fidelidade.Mais de 340 quilos de sabonete, 150 litros de xampu, 140 litros de condicionador e 300 litros de xampu dois em um (xampu mais condicionador em um único produto) por mês, apenas na Grande São Paulo. Esse é o consumo dos amenities mais utilizados pelos hóspedes nas unidades da rede Atlantica Hotels International localizados na região.
A fidelização , de acordo com Fabiana Zichia, Coordenadora de Operações e Serviços da Rede, ocorre de duas formas principais:  a partir do momento em que o hóspede recebe exatamente o que espera ou, então, mais ainda, quando é beneficiado com algo a mais, algum item que o surpreenda. Os amenities da Atlantica foram feitos para entrar nesse "algo a mais", agradando aos níveis de expectativa mais altos. O hóspede sente o zelo do meio de hospedagem quando encontra produtos de excelente qualidade.
A relação custo benefício dos amenities tem se mostrado  excelente, pois as amenidades ajudam a fidelizar e a encantar os hóspedes. Na Atlantica,  como em outras grandes cadeias hoteleiras, eles conseguem reduzir ainda mais os custos por meio de uma negociação macro com a Realgem''s, uma das principais fornecedoras do mercado, para que as aquisições não venham a impactar significativamente as despesas de cada empreendimento.
Não são apenas as grandes cadeias hoteleiras que apostam nos amenities, cada vez é mais crescente o número de hotéis independentes que apostam nisso. O Park Hyatt Mendoza na Argentina, por exemplo, lançou uma linha produzida à base de vinho, uma das maiores riquezas da cidade que o sedia. Qual hóspede não se sentiria valorizado em utilizar um produto diferenciado?
Voltando aos exemplos da Atlantica,  o Radisson Faria Lima, uma das unidades de luxo da Rede, localizado em São Paulo, substituiu sua antiga linha de amenities por uma que traz os principais pontos turísticos da capital paulista estampados na embalagem.
A importância dos amenities também se justifica pelo fato de serem produtos flexíveis, que se adequam às necessidades dos hóspedes, do empreendimento e do mercado.
O interessante é que os hóspedes tanto consomem os amenities durante sua estada, como procuram levar alguns como souvenir.  Os hóspedes consomem os kits de amenities e, quando são realizadas as reposições,  também os levam consigo depois que a viagem acaba.  
Atualmente, na Atlantica, os amenities são diferenciados por categoria: Econômico, Superior e Luxo. No total,  são 18 itens, dos quais alguns são obrigatórios e outros opcionais. De maneira geral, os kits são compostos por sabonetes de 20, 30, 40 ou 50 gramas; lenço de papel; touca; sabonete líquido para banho de espuma; kit barba; kit dental; kit costura; kit beleza; hidratante; xampu; condicionador;  xampu 2x1; pente; creme e luva lustra sapatos.Contabilizando todos esses itens, a Rede tem um consumo médio mensal de 160 mil unidades variadas. 
A linha de amenities da Atlantica foi cuidadosamente desenvolvida para transmitir alegria e prazer ao hóspede. Para isso, a Realgem''s, que é a empresa parceira,  buscou inspiração no trabalho da artista plástica Lilli Dean. A artista produz imagens da natureza, flores e plantas.
A partir daí é que as embalagens foram criadas, incluindo as frasnagas, os acessórios acondicionados em flow pack e os sabonetes pleat. As essências e os componentes das fórmulas foram desenvolvidos com base em padrões internacionais.
Entre as empresas especializadas no segmento,  estão Realgem''s e a Travel Set, mas para se ter uma idéia do grande filão existente para o mercado das amenidades, muitas empresas conceituadas no mercado de cosméticos começaram a investir nesse ramo. A Linha OX,  por exemplo, lançou a Classic Colletions, voltada especialmente à hotelaria, atendendo atualmente toda a rede Posadas.
Por trás deste nicho potencial, temos não apenas o turista de lazer, mas especialmente o de negócios.Como esse público viaja muito,  ele opta por levar pouca bagagem, muitas vezes deixando os produtos de toalete pessoal de fora das malas. Os amenities geralmente são gratuitos.
Mas quando ganham aspectos mais glamurosos, entretanto, o melhor é perguntar antes se tem custo. Na Atlântica, além dos kits comuns, há outros diferenciais que são free, mas Isso depende da categoria do empreendimento.
Setor de compras ganha novo perfil
Quando o assunto é comprar para suprir as necessidades de um hotel, as opções também estão ganhando novas versões. Já se ia longe, o tempo em que o hoteleiro dependia apenas de lojas ou feiras especializadas para adquirir seus itens. Hoje o mercado busca preços competitivos, e para tanto parte para a compra em escala, pois reduzir preços nas compras é uma excelente forma de otimizar custos e poder investir mais nos serviços do hotel. Para tanto já foi criada a Associação Brasileira de Compradores de Hotéis e Restaurantes, a quem cabe a missão de unir os compradores e encontrar meios que possibilitem economia e a troca de informação, na busca de novas soluções. A Central do Hoteleiro, que reúne na net os grandes fornecedores da hotelaria, também surge neste pool de novas opções, como uma alternativa inteligente e econômica.
Mas o grande diferencial ainda está por vir. O mercado hoteleiro ainda de forma modesta já pratica a compra de “serviços” por leilão eletrônico. Mas para que esta pratica se torne uma rotina, é preciso ainda vencer as barreiras culturais e melhorar o nível de informatização do setor. Por hora, são as gigantes do mercado, as grandes cadeias hoteleiras, que se aventuram na nova opção, pois neste caso a escala justifica a utilização e a oferta promissora dos fornecedores. A maior vantagem dessa prática, sem dúvida, reside no menor preço, e a desvantagem é que são poucos os produtos que podem ser adquiridos. “O pregão e o leilão eletrônico funciona bem para grandes quantidades e produtos de escala crescente. Produtos cuja qualidade se destaque continuarão a serem comprados pelos sistemas tradicionais”, analisa o presidente da ABIH Nacional.

O Jeitinho Brasileiro nos Detalhes dos Hotéis

Independente de seu porte ou categoria é crescente o número de hotéis que buscam na brasilidade soluções de design e decoração para seus hotéis. As cadeias internacionais dão exemplo e também seguem o mesmo ritmo, apresentando novidades que vão dos amenities com aromas de frutas brasileiras, até soluções em energia e outras mordomias que facilitam a vida dos hóspedes e certamente os fidelizam.
O Hotel Termas de Xangri-lá, localizado em Xangri-lá, no Rio Grande do Sul, instalado em uma área privilegiada em frente à praia, em mar aberto do litoral gaúcho, pertence ao Conselheiro permanente da ABIH-RS, Ernani Dieterich.
O empreendimento prima pelos detalhes e como conta com uma clientela de 70% de argentinos, hóspedes cativos e fiéis. E  para proporcionar maior conforto a eles, o empreendedor fez colocar sobre o caminho que leva à praia, sobre a área de restinga, uma ponte de madeira, sobre a qual instalou um carpete em todo o percurso, inclusive após  a ponte que é  a própria areia, e por cima do carpete, do tipo destes simples  que servem para forrar pavilhões de feiras de exposições, se mantém também a areia. Com isto ameniza o calor do sol e permite maior conforto das pessoas que pisam encima, não precisando se expor aos pedregulhos naturais e gravetos das áreas de restingas.
Protege o hóspede e não agride a natureza, ao contrário, contribui para a sua preservação. Neste recanto do sul, os hóspedes são recebidos com muita fidalguia. Além de colocar  uma cesta de frutas no apartamento, dentro da geladeira o hóspede encontra uma bandeja de inox com frutas variadas e geladinhas, bastante apropriadas para o calor no sul, durante o curto verão gaúcho. Mas isso não é tudo, no Xangri-la os hóspedes podem se beneficiar da técnica para terapia corporal talassoterapia que consiste em tomar banho em piscina ou banheira aquecida com a água natural do mar.
O Hotel Xangri-lá do Rio Grande do Sul é um dos poucos do Brasil a disponibilizar tal serviço. A água é integralmente trocada a cada 30 dias e passa por um  processo de manutenção que permite manter constantemente suas características naturais. Proporciona um banho relaxante e revigorante e dá a sensação de que o corpo não afunda.
Hotel Lancaster Curitiba
O Hotel Lancaster, de Curitiba, é todo decorado com obras de  arte de artistas renomados do Paraná. Os quadros além de expressarem a cultura paranaense são todos finalizados com molduras bonitas e elegantes. E mais, o hotel prima pela excelência das boas vindas, recebendo seus hóspedes com uma caixa de bombons finos, feitos pela Confeitaria Lancaster de Curitiba, que também pertence ao proprietário do hotel Henrique Lenz César Filho, presidente da ABIH-PR, que tem ainda 4 confeitarias, consideradas entre as melhores de Curitiba.

Hotel Diplomata

Todos os andares do Hotel Diplomata, em Várzea Grande, Cuiabá, Mato Grosso, são decorados com peças artesanais do Estado do Mato Grosso.
Se todos fizessem isso, teríamos um serviço bem mais brasileiro. As mesmas bonequinhas que o proprietário do Hotel Diplomata, Luiz Verdum, do conselho fiscal da ABIH Nacional, expõe sobre o Balcão da recepção, ele usa para identificar os banheiros Masculinos e Femininos no piso térreo.
São os famosos bonecos filhos da terra de Dom. O empresário Verdum, disponibiliza também no Balcão da recepção uma peça de barro, imitando o cajú do cerrado em tamanho gigante, tendo em seu interior peças artesanais de Mato Grosso que os hóspedes podem comprar. São bonecos feitos por artistas locais. Uma ação que ajuda os artistas e promove mais uma renda extra para o hotel.
O balcão da recepção do Hotel Diplomata é criativo e expõe uma série de peças de artesanato Mato-Grossense. Sobre o balcão Verdum colocou uma cabeça de boi de barro. Nela há um local onde são disponibilizados cartões do hotel e folders. É tão criativo que não há quem não recorra a um antes de ir embora do hotel. Comunicação pantaneira, criativa e bem brasileira.
Hotel Caiçara
O Hotel Caiçara, em João Pessoa, na Paraíba, disponibiliza para o hóspede o papel de carta ou para anotações, como se faz em todo hotel. A diferença é que no deles aproveitam para inserir em parte do corpo do papel, várias  fotos do hotel que certamente acabam circulando por muitos lugares. Afinal de contas, quem faz uso do mesmo, leva consigo as anotações feitas. Sem dúvida um detalhe diferente.E na Bahia, as boas vindas do Tarik Fontes  são  literalmente deliciosas. Os hóspedes recebem uma caixa de doces cristalizados, produzidos artesanalmente em Itabuna.
Detalhes Tecnológicos com criatividade
O Hotel Continental Inn de Foz do Iguaçu pertence ao empresário  Camilo Rorato, presidente da ABIH Regional Oeste Paraná. Ele criou um ambiente no Hall do Hotel, onde há um terminal  de computador, que pode ser acessado pelos hóspedes, bastando passar o seu cartão magnético, que também serve como chave do apartamento. O hóspede pode ver a qualquer momento quanto já gastou no hotel. As cabines telefônicas dos hotéis normalmente são colocadas  em locais discretos e um pouco distante da recepção. No Continental Inn eles projetaram um local central, em frente à recepção  e atrás dos sofás da área social da recepção. Um móvel bem localizado  dá a privacidade necessária para justificar a instalação da área para  telefones ali.

Hotelaria tem até “Calçada da Fama”

O Bourbon Foz já foi base da concentração da seleção brasileira várias vezes, daí a razão de ter criado a calçada da fama com os pés dos jogadores da Seleção Brasileira. No recém inaugurado spa decorou as paredes com fotos de jogadores utilizando as aparelhagens e tomando banho nas suas jacuzzis e piscinas térmicas.
E o Bourbon Foz oferece no café da manhã água mineral nos tradicionais bebedouros da IBBL, aqueles que são muito usados nas áreas de eventos. É um serviço prático com água fresca e hoje se pode ter quente e frio no mesmo bebedouro. Muitos hotéis oferecem nas garrafas que é mais caro ou colocam em jarras o que acaba causando desperdício e não é tão higiênico. Outro detalhe, é que ao lado da recepção, em local bem visível, o Bourbon Foz coloca três relógios: um da Argentina, outro do Paraguai e outro do Brasil, e por incrível que pareça é necessário, embora os três países façam parte da tríplice fronteira. É que o Paraguai, por exemplo, em razão da linha divisória tem um fuso horário de uma hora e o Brasil adota o horário de verão. Cada hotel tem sua criatividade ao oferecer as boas vindas aos hóspedes. No Bourbon o hóspede encontra sobre a mesa um prato e talheres com um display escrito em inglês e português dizendo que suas frutas fatiadas estão guardadas na geladeira, para que ele as coma frescas. Um detalhe só visto no Bourbon Foz.
Francês, mas com jeito brasileiro.
O Le Meridien Copacabana,  agora operando com a bandeira  Iberostar , coloca em todos os seus banheiros peças artesanais brasileiras que servem para decorar, mas podem também ser comercializada. São peças com grife e assinatura de artesãos. Em todas há um cartãozinho informando que os interessados em adquiri-las basta ligar para a governança
E sabe aquela idéia  do hóspede colocar o pé na água  para medir, ou sentir, a temperatura da água? Na piscina do Meridien Copacabana é um ato dispensável, porque ali há  um quadrinho que informa tudo: temperatura da água, do ar, profundidade, não mergulhe, salva vidas, horários de funcionamento da piscina... além da cópia do regulamento e três termômetros bem visíveis.

E os americanos também apostam na brasilidade  

O primeiro Sonesta São Paulo no Ibirapuera, já veio introduzindo brasilidade à sua origem americana. Os amenities apesar de normais como na maioria dos hotéis  3 e 4 estrelas para executivos, são Terra Brasílis- Encantos da Amazônia de Açaí.
Energias Positivas do JW Merriott RJ é tudo de bom
Drenagem linfática, tuiná, ayurvédica, desportiva e terapêutica são as opções de massagens oferecidas no JW Marriott Rio de Janeiro. O local disponibiliza ainda terapias como o Shiatsu, que segue os princípios da acupuntura, o Reiki, que é um tratamento de energização da saúde física, mental, emocional e espiritual, através da transferência de energia pelas mãos e a Reflexologia, que manipula pontos específicos dos pés e das mãos, equilibrando e energizando o corpo humano. As terapias e massagens podem variar de 30 a 90 minutos.

Além do luxo, uma praia exclusiva...

O famoso Catussaba Resort Hotel, é considerado como único hotel “resort” efetivamente de capital, que tem praticamente uma praia exclusiva para os seus hóspedes, em uma das mais famosas de Salvador, na região de Itapuã. O Catussaba é um hotel com 256 apartamentos, e tem aproximadamente 10 anos. A maioria de sua clientela é proveniente de Portugal, Espanha, França, Itália e Alemanha. O complexo Catussaba é cheio de surpresas e vantagens, tem o que chamamos de piscina inteligente, que contempla a todas as idades com seus diversos pontos e profundidades. Permite a prática dos jogos de vôlei, natação e divertimento em grupos de forma simultânea, sem que um atrapalhe o outro.
Mas, o que impressiona a todos que ali passam além das belezas naturais e dos pássaros que ali gorjeiam com seus cantos inusitados, e já se sentem domesticados e em convívio próximo com o turista, é a decoração do hotel, com peças de antiquários adquiridas das fazendas do interior baiano, somadas às peças artesanais, assinadas e exclusivas de artistas da Bahia. Junte-se a tudo a força inconteste do que a isto produz, a natureza.
Por todo o hotel. Estão espalhadas peças de madeira rústica marcada, queimada e irregular, que ganharam espaço dentro e fora do hotel nos seus imensos jardins.

No Gran Mercure todo hóspede é Vip

Logo na entrada do Grand Mercure Hotel, operado pela Rede Accor, o hóspede percebe como será sua estada no hotel, visto que são disponibilizados detalhes que facilitam a vida de qualquer cristão. Nas construções modernas o piso do banheiro continua no corredor de entrada do apartamento. Isto dá maior durabilidade ao carpete, evitando que  ele molhe quando a camareira lavar o banheiro ou limpá-lo, além de dar um ar mais clean no apartamento. Em relação a colocar o pé no chão frio não há motivos para preocupações, já que o hotel disponibiliza chinelos felpudos em todos os banheiros. A parede do banheiro tem uma parte em tijolos de vidro, que dão para o quarto, assim, para usá-lo não há necessidade de acender as luzes do quarto, só a do próprio banheiro. O roupão pode ser um detalhe a mais, ou uma peça que todos possuem, depende da forma que o empreendimento o coloca e o oferece ao hóspede. No Grand Mercure o hóspede o recebe depois da entrada, como um mimo, o que faz parecer que somente os VIPs tem o roupão. É interessante esta forma que controla o uso, só coloca o necessário e agrada o cliente, que passa a notar o roupão como um prêmio.

Um pedacinho do mundo no Dayrell

Os hotéis brasileiros geralmente tem uma característica muito interessante e em comum. Muitos deles expressam  em praticamente todos os seus ambientes "um pouquinho de seus donos". É que geralmente, em suas viagens pelo mundo, costumam trazer peças artesanais  ou até mesmo  obras de artes, que refletem suas preferências. A proprietária do Dayrell Minas Hotel, em Minas Gerais, Ana Luciano, por exemplo, traz magníficas peças de diferentes partes do mundo. Algumas ela transforma em quadros, outras expõe em vitrine.Tudo isso somado, dá um ar  especial e permite ao hóspede literalmente "viajar" pelo mundo.
Não é comum, porém  a cada dia vemos com mais freqüência nos hotéis, as lojas de conveniência. Na hotelaria tradicional são lojas de souvenires, algumas apresentando também itens de conveniência. Mas com a modernidade, percebe-se uma evolução neste segmento, e as lojas de conveniência começam a ocupar lugar privilegiado.No Dayrell Minas Hotel, o hóspede encontra no apartamento uma lista com todos os itens da loja e seus respectivos preços. Enfim, esta lista facilita  a vida do hóspede que sabe o que quer, o que pode comprar e quanto vai gastar.Muito cômodo.

O glamouroso e apetitoso café da manhã do Copa

Inaugurado em 1923, o hotel ajudou a transformar Copacabana numa palavra familiar dentro e fora do Brasil. Em 1933, foi cenário para o filme "Flying down to Rio". Um marco cinematográfico, onde pela primeira vez dançaram juntos Fred Astaire e Ginger Rogers.
Em todos esses anos, O Copa sempre foi o preferido entre artistas, políticos e executivos que vêm à cidade. Assinaturas ilustres como as de Santos Dumont, Gene Kelly, Orson Welles, Príncipe Charles, Princesa Diana, Arturo Toscanini e inúmeras outras, estão no "Livro de Ouro" do hotel. Adquirido pelo grupo ORIENT-EXPRESS HOTELS em setembro de 1989, o COPACABANA PALACE compreende o Prédio Principal - tombado pelo Patrimônio Histórico em nível federal, estadual e municipal - e o Anexo, incorporado ao hotel em 1948.
Em muitos hotéis se coloca um  chinelo felpudo à  disposição do hóspede. Mas no Copa, o hóspede encontra dois pares, um  de cada lado da cama sobre uma pequena toalha, própria para fazer com que fique delimitado o espaço do mimo e para que o hóspede não pise no chão frio, ainda que nele haja um tapete persa. À exemplo de outros hotéis padrão 5 estrelas, o Copa oferece amenities da Casa Granado. Ocorre, entretanto,   que eles são personalizados, como se fossem  feitos com exclusividade para o Copa.
A famosa  piscina do Copacabana Palace, já foi palco das mais extravagantes e milionárias festas, e teve nas suas bordas personalidades de destaque como lady Diane e importantes presidentes. Por ali passou Porfírio Rubirosa Ariza, "o rei dos playboys", e myuitas outras personalidades.
Após sua última reforma, já com a nova gestão  depois  do retrofit, foi criada  a área molhada  que faz com que a piscina esteja sempre cheia, transbordando. É ali que os vips  ficam papeando. Antes da reforma, no meio da piscina havia uma ilha  que para alguns deixou saudade. Na época  a piscina era um pouco mais funda. Hoje se adapta a todas as idades, sem perigo de causar incidentes e também é própria para àqueles que praticam natação.
No copa, o café da manhã, vai muito além de uma refeição. Na verdade, traduz um ritual de elegância e beleza, presente em cada um dos detalhes. Os talheres e os bules, por exemplo, são de prata com os logotipos do copa, enquanto  as louças são procedentes da mais fina porcelana. Não bastasse, o Copacabana Palace pode tranqüilamente se gabar como o hotel que serve maior número de itens em seu café da manhã. São mais de 30 qualidades de frutas entre importadas e nacionais. As geléias de origem  suíça e francesa, estão entre as delícias  gastronômicas do Copa,   que incluem o que há de melhor na culinária.

Intercity Florianópolis medidas anti-apagão

No hall do andar térreo do hotel, entre os dois elevadores  está a logomarca da Stemac, fornecedora oficial de  geradores à diesel para os hotéis da rede. Para quem pensa, que isto faz parte de um acordo comercial, puro engano. Na verdade, a Rede  implementou  este detalhe  visando valorizar a parceria com a  empresa e também apresentar como mais um diferencial Intercity. Aliás, esse destaque é muito merecido, pois na época em que a ilha foi vítima de um apagão, o único hotel que continuou com as luzes acesas foi o Intercity. Lá tudo, funcionou normalmente, o que, inclusive, chamou a atenção da mídia, e virou manchete  na Ilha.

No Transamérica São Paulo, amenities são em dobro.

No Transamérica São Paulo, os amenities  caracterizam um detalhe, por hora, só visto por  lá. Na cesta deles, vem tudo em dobro: dois shampoos, 2 condicionadores, 2 cremes hidratantes, dois  anti-sépticos bucais, dois kits de higiene oral, dois kits de algodão para maquiagem, duas toucas de banho, dois sabonetes grandes, além de um kit de barbear e um Kit costura. Resumindo  e concluindo, isso mostra o quanto  este hotel entende “o que é servir a um casal", e o quanto isso é importante...
Caneta e bloco de papel, sempre foram  itens quase que obrigatórios, disponibilizados pelos hotéis em cada um dos apartamentos. Ocorre que a maioria  dos hotéis  utilizam as canetas  esferográficas como as famosas BIC, que, aliás,   é o maior fornecedor do mercado. Porém, com as facilidades de importação e  preços mais competitivos, alguns hotéis estão se esmerando nas canetas distribuídas nos apartamentos. No Transamérica, para se ter idéia, a caneta é tão imponente que acaba sendo sempre o primeiro item  que o hóspede coloca no bolso, seja para usar ou presentear.Durante muitos anos, a caneta da Varig  foi símbolo de status que identificava  a pessoa  como  tendo viajado na primeira classe.Quem sabe  agora, com esse tipo de exemplo, a hotelaria  não parta para  a mesma direção. Afinal, estamos falando de detalhes  que fazem a diferença...

Íbis Congonhas, inovando no frigobar.

Por estas e outras é que o Íbis congonhas marca econômica da francesa Accor, e outros economizam e ganham. No apartamento o hóspede encontra uma geladeirinha. E dentro não tem nada, apenas o frio.  Na porta tem um selo com a seguinte mensagem: prezado hóspede o seu menu express está disponível 24 horas no bar do hotel. Abasteça seu frigobar.
Pratico, lucrativo e de baixo custo, elimina o controle de frigobar, compra, vencimentos de produtos e integra o hóspede ao hotel. O  único inconveniente é chegar desavisado com a mulher, noiva e namorado e quebrar o clima para ter que se vestir, pegar o elevador e ir comprar os produtos na recepção, mas no geral  essa medida permite a redução de custos. Além disso,   o hóspede tem a liberdade de abastecer em outro lugar. Neste caso não trás receita, só o conforto de alguém escolher o produto que quiser consumir. São os novos tempos. É  preciso se adaptar para sobreviver...

Grand Hyatt São Paulo descobriu que Brasil é um país de detalhes.

São 470 luxuosos apartamentos incluso 34 suítes cada uma denominada com o nome de uma árvore brasileira, além do número que as identifica. Nogueira, Pau Brasil, Jacarandá etc...
Esta grande e imponente Rede Americana, como não poderia deixar de ser descobriu que o Brasil é um país de detalhes e que para encantar os hóspedes é preciso multiplicá-los.
A Evolução dos tempos proporciona uma nova forma de expor elegantemente os extintores e mangueiras de incêndio. No Hyatt ao invés desses equipamentos estarem aparentes, permanecem atrás de portas de madeira sobre as quais  são colocados símbolos de identificação. Desta forma  podem ser menos visíveis, mas proporcionam um ambiente menos poluído, oferecendo igualmente segurança.
Os hotéis tem utilizado economizadores de energia com LED que informam se os apartamentos estão vagos, ocupados ou se precisam ser arrumados. Hotéis como o Hyatt os utilizam, porém sem os LED. Para informar se o apartamento precisa ser arrumado ou se o hóspede não deseja ser perturbado, basta colocar uma gravatinha preta no local de introdução da chave eletrônica. Esta opção em detrimento das outras é porque chegarão  a conclusão de que em um 5 Estrelas  o apartamento tem de estar climatizado.
E para isto deixam uma segunda chave eletrônica no economizador de energia. A espécie de gravatinha fica em um display  atrás das portas junto à planta de evacuação do andar.
Hotéis do nível do  Grand Hyatt colocam nos corredores um terminal telefônico, aliás, uma boa providência, pois muitos ao subirem esquecem a chave ou tem suas diárias vencidas. E quando não há telefone, a pessoa precisa descer na recepção para solucionar o problema.
Toda noite, a camareira, acompanhada de um valet, uma espécie de mordomo, bate à porta  e oferece duas garrafinhas de água mineral Petrópolis, de 200ml, com um baldinho de gelo. No quarto, independente destas duas,   que são ofertadas, o grand hyatt oferece uma água também das fontes Petrópolis, em embalagem de 700 ml em vidro com o nome EAU, ou seja, o nome de um dos restaurantes do hotel. No hyatt a água mineral toma o lugar dos famosos chocolatinhos de fim de tarde ou início do  amanhecer. É mais saudável e não engorda.
Imagine que os sabonetes fornecidos pela Granado são de 100 gramas , e estão disponíveis em   vários aromas de frutas: açaí, coco, cupuaçu, acerola  etc. Ultimamente os hotéis First Class estão usando  motivos  bem Brasil e isto ajuda a vender a imagem e os produtos típicos do país. Os shampoos e condicionadores estão no mesmo caminho. Finalizando os impressionantes detalhes do Gran Hyatt, vale dizer que as frutas de boas vindas são servidas em porcelana polida, bem ao natural e impressionam pelo porte e qualidade...

Hotel 3 Pinheiros

O Hotel 3 Pinheiros em Engenheiro Passos, Rezende, Rio de Janeiro, em seu restaurante  serve as  saladas sobre uma grande peça de madeira  maciça esculpida  em forma  de peixe. Impressiona pelo tamanho, peso e originalidade. O Hotel serve  suas refeições sobre um fogão de lenha sem funcionar, enquanto as sobremesas são servidas  sobre um carro de boi.

Privacidade é mais que um Detalhe no Renaissance

Renaissance Hotels and Resorts é uma das mais sofisticadas marcas hoteleiras do mundo, com serviços completos para receber e atender hóspedes que estão a negócio ou em passeios. Os hóspedes podem desfrutar de ambientes com estilo e conforto, agilidade nos serviços de quarto e conceituados restaurantes com serviço impecável e atencioso. Renaissance Hotels têm alta qualidade e design único, conforme cada localização. O ambiente sedutor do Renaissance está em 125 propriedades espalhadas pelo mundo inteiro.
Localizado no 23º. andar do Renaissance São Paulo Hotel, o Club Lounge é um espaço com estrutura diferenciada e exclusiva. No local, os hóspedes podem tomar o seu café da manhã de forma mais tranqüila e agradável, trabalhar em algumas das salas de reuniões ou no business center, ou simplesmente esperar confortavelmente por algum compromisso. O local passou por uma grande renovação e foi inaugurado no dia 27 de junho de 2005.
O investimento na renovação do Club Lounge foi de 500 mil reais e a taxa média de ocupação nos dias úteis gira em torno de 80%. O espaço é composto por uma grande sala de estar, elegantemente decorada e com confortáveis sofás, mesas para refeições localizadas estrategicamente nas janelas com uma vista privilegiada da capital paulistana, salas para reuniões com capacidade para 8 pessoas, sala com TV e som, 2 transient rooms, além de lanches e petiscos sempre disponíveis aos hóspedes.
Uma boa noite de sono no Renaissance
O Renaissance, luxuoso hotel da capital paulista, coloca de cara 5 travesseiros sobre a cama e disponibiliza um folder com o seguinte titulo: travesseiros à la carte / pillows a la carte, nele o hóspede pode escolher 11 tipos de travesseiros: camomila, menta, alfazema, anatômico, látex, cervical japonês, macio, médio, firme, baixo, e especial para bebês. E tudo isso tudo acompanhado da seguinte frase: “Depois de um longo dia, um sono tranqüilo e reparador   UNIQUELY RENAISSANCE”.
São poucos os que sabem que o Hotel  Renaissance foi o primeiro empreendimento hoteleiro  em são Paulo a colocar pé de apoio, uma haste sobre a parede de metal, onde a pessoa apóia os pés para se ensaboar.
É bom para os idosos e  também para os jovens, afinal todos temos ciáticos. E pelo visto continua a ser o único hotel que tem  pé de apoio no box do banheiro.
Os amenities  do Renaissance, a exemplo do Gran Hyatt, também são de frutas tropicais. Isso mesmo, os shampoo, sabonetes cremes e outros itens são de  banana, coco, manga com pitanga e maracujá. Sem dúvida, algo bem original e com "cheiro de Brasil", o que ajuda e muito a  vender os produtos brasileiros.
No Renaissance, o chinelinho disponibilizado nos apartamentos  Executivo VIP, nos últimos andares, não são aqueles de pano. São chinelos mais consistentes, que trazem na tira  a marca do hotel. São confortáveis e mais duráveis. Geralmente, o hóspede encontra  dois pares  em cada apartamento, sendo um número 42 e outro 38, devidamente embalados em saquinhos plásticos. Um fica ao lado da cama e o outro no closet.
Hotel Brisamar
O  Hotel Brisamar, em São Luis do Maranhão, do empresário Nan Souza, presidente da ABIH - Maranhão, possui uma mesa exclusiva e separada do buffet principal do café da manhã, onde expõe e disponibiliza produtos alimentícios diet e light, tipo queijo minas, ricota, queijo qualho nordestino  light, mel, geléias diet diversas, Pães de centeio, fibras naturais, presunto de peru e frango e outros. Muitos hotéis também oferecem todas essas opções, a diferença é que é num mesmo espaço, enquanto  no Brisamar os produtos de linha light  merecem destaque.
The Royal Palm Plaza
No  Resort Urbano The Royal Palm Plaza, em Campinas, as toalhas de banho tem um detalhe adicional, a bainha é de renda, um produto típico nacional que a transforma, enriquece e cria um ar de sofisticação.Por outro lado, outro destaque são os amenities (shampoo, condicionadores, sabonetes etc) da ox, em tamanho natural e não miniatura, que estão disponíveis nas suítes.

Novotel Jaraguá São Paulo

Inaugurado no dia 25 de janeiro de 2004, dentro do calendário oficial dos 450 anos, o Hotel Jaraguá São Paulo, hoje Novotel Jaraguá, operado pela Accor, foi reconfigurado internamente após um retrofit para oferecer uma infra-estrutura hoteleira de primeira grandeza para executivos de negócios que necessitam de conforto e serviços qualificados 24 horas por dia. O Grupo Sol Invest na ocasião, aportou cerca de R$ 40 milhões na restauração do prédio, que se encontra nas confluências das ruas Martins Fontes, Consolação e avenida São Luis. Essa iniciativa foi um dos maiores investimentos privados na campanha de revitalização do Centro Histórico.
No Jaraguá, as pias são de tamanho grande, e bastante confortáveis. Um detalhe, que sem dúvida,   salta aos olhos. Afinal, pias pequenas incomodam, tem pouco espaço e ao sair, a água espirra fora dos limites. Mas no Jaraguá isto não acontece, pois as pias são de semi-encaixe e permitem uma utilização racional e saudável. Além disso, a torneira possui um sistema que permite ao hóspede programar a temperatura ideal.
Outro detalhe interessante do Jaraguá é o Cabideiro instalado atrás das portas e que é perfeito para pendurar roupões e toalhas. No box, as toalhas ficam dobradas na horizontal e há um lugar para estendê-las após o banho, mas normalmente estes toalheiros são para tolhas já secas.
O Jaraguá colocou um gancho Cabideiro ao lado do toalheiro, dentro do Box, de forma que após usar a toalha,  o usuário pode pendurá-la  para secar. Além disso, o hotel coloca outro Cabideiro, atrás da porta, para os roupões. Este é mais um detalhe que não se vê muito.
Em cada apartamento do Hotel Novotel Jaraguá, o hóspede encontra  Capuccino e chás free of charge, um diferencial que há  tempos  já é utilizado pelos hotéis de redes americanas.   E tudo é muito prático. Há disponível um ebulidor  para esquentar a água. Depois é só fazer a escolha de sua preferência, com saquinhos de  açúcar e adoçante.  O hotel também disponibiliza ainda tábuas de passar roupa e ferro, tudo como manda o figurino das grandes redes internacionais.
Outro detalhe bastante interessante são os elevadores e escadas rolantes inteligentes: o primeiro possui um dispositivo que indica qual a capacidade de peso está sendo utilizada, e como medida de segurança não parte caso a carga esteja acima do limite permitido, que é de 900 kg. Já a velocidade da escada rolante é controlada por um sistema de variação de freqüência: quando não está sendo utilizada, a escada opera em baixa velocidade, economizando assim energia, mas quando um usuário se aproxima, automaticamente a velocidade aumenta.

Vila Galé Marés

Construído na praia de Guarajuba, a 40 km de Salvador, no Litoral Norte, o Resort Vila Galé Marés foi inaugurado no último dia 28 de abril com a presença de políticos, artistas, personalidades do cenário nacional e de Portugal. O empreendimento ficou em torno de R$ 80 milhões, e a previsão da Rede portuguesa é que o retorno do investimento seja obtido em dez anos.
 O Vila Galé Marés situa-se entre o mar (tem uma frente de praia de 460 mts) e as lagoas de Guarajuba. Constituído em um harmonioso conjunto de blocos de apartamentos, chalés e áreas sociais, perfeitamente integradas no coqueiral e mata nativa, fazendo uso abundante da água com lagos e cascatas serpenteando todo o empreendimento.
Possui 450 unidades de alojamento, entre apartamentos e chalés, decoradas com requinte e oferecendo TV à Cabo; Ar condicionado individual; Telefone, Frigobar; Cafeteira; Cofre eletrônico; Varanda com rede; Banheiro completo com secador de cabelo, telefone e espelho de aumento. Tudo isto na mais perfeita segurança em uma das praias mais bonitas do litoral Baiano e a apenas 42 kms do Aeroporto Internacional de Salvador.
Oferece ainda 3 Restaurantes; 5 Bares; Centro de Convenções para até 700 pessoas; Aldeia do Nep (Clube para crianças com piscina, jogos, playground, baby-copa); Biblioteca; Sala de jogos; Business center, Lojas, Clube náutico (surf, snorkling, caiaques e mergulho), Centro esportivo (Academia, spinning, tênis) e atividades de recreação para adultos e crianças.
Com uma borda infinita parecendo acabar no mar azul de Guarajuba, a piscina exterior com 3000 m2, sendo uma das maiores do Brasil é com certeza um dos grandes atrativos do Resort.
O Resort integra ainda um magnífico Spa, o Satsanga, que na sua atmosfera de calma e de silêncio, permite usufruir tratamentos de estética, massagens de relaxamento e bem estar, cabeleireiro, piscina coberta, saunas secas e úmidas.

Muitos são os detalhes do Vila Galé Marés

A entrada principal é imponente e lembra os resorts da Indonésia, bem ventilados com decoração rústica, mas muito elegantes. Entre os bangalôs, foi criado um riacho natural, dando idéia de que o rio passa por dentro do resort.Aliás, o Vila Galé tomou o cuidado de preservar uma lagoa em seu estado natural, porém colocou coloca placas solicitando  que os hóspedes e visitantes não a utilizem, mas apenas apreciem a fauna e a flora. Um dos detalhes que mais chama a atenção é a presença do artesanato brasileiro de boa qualidade, com ênfase no artesanato baiano e peças de cerâmica grandes e belas, na decoração. Os apaixonados se encantam com os Tocheiros de luz a gás imprimem um tom bucólico ao luar do Vila Galé Marés.
A piscina do hotel, grande e flexível, chama a atenção em vários aspectos. Lá estão diversas Estátuas de  madeira e fibra de coco; uma área de natação com raias para esporte, bares molhados e áreas molhadas onde se coloca espreguiçadeiras.Música não falta. Caixas de  som em toda a área de piscina  estilo cones, não estão perceptíveis como caixas. São  duradouras, podem tomar sol e  chuva e tem boa qualidade de som.
Politicamente correto, em vários pontos do hotel é possível ver estações de tratamento de água. O que proporciona respeito ao meio ambiente e economia de água. E as exigências de segurança dos hotéis de bandeira internacional são tantas
que o Vila Galé colocou mangueiras de combate a incêndio perto de todos os blocos, ainda que esteja localizado em frente ao mar e com muita área livre, verde e aberta. E quando a palavra de ordem é relaxar, nada melhor que a Piscina e salas de repouso e ginástica do spa satsanga.
Na  piscina duas potentes duchas de massagens para as costas, duas cascatas com saídas em metal e nas bordas potentes massageadoras das pernas e corpo. As salas de massagens e de repouso tem uma fonte ao meio que é bastante tranqüilizante. As chaises longues são do estilo le corbusier e se moldam ao corpo de quem se deita nelas na posição que desejar. Aliás, No spa satsanga tem duas suítes tantra e mantra. Em  ambas o casal faz massagens juntos, tomam hidromassagem e ao final são deixados a sós para o melhor momento no mais puro estilo indiano com cores e luzes sensuais. E claro quem preferir pode dormir.


A sauna do spa satsanga é muito interessante e pratica.

Além de poltronas de cimento recobertas de pastilhas, ao centro delas há um espaço circular com duas duchas de onde o usuário recorre à água fria para aliviar o calor da sauna. Bem ao estilo dos navios de cruzeiros, pratica e confortável. A sauna tem chaises longues confortáveis e no espaço que as separa da entrada da sauna seca e a vapor    uma piscininha,   um tipo de banheira e hidromassagem na cor vinho bem zen ao gosto dos melhores spas.
São três os tipos de duchas do spa satsanga, uma circular, uma forte tipo cascata outra massageadora. O interessante é que o piso além do ralo bem embaixo da ducha tem no inicio da porta, orifícios para ajudar o escoamento da água.Este detalhe faz com que mesmo com forte saída de água o escoamento não emposse no Box.
Os apartamentos são distribuídos em 10 blocos, sendo  40 em cada um  e mais 52 apartamentos  e suítes em bangalôs ou chalés, para atender ao seleto público da suíça e Inglaterra que apreciam especialmente os bangalôs. Muitos deles estão instalados  à beira da praia, entrecortados por trilhas ecológicas ideal para caminhadas.
O  tabuleiro de xadrez ao lado do restaurante principal é de tamanho gigante. É interessante ver  turistas mexendo peças no escaldante sol baiano A Recepção moderna e aconchegante, um espelho dágua ao centro e passarelas de vidro  no chão. Nos apartamentos o conforto é total. Apartamentos confortáveis, amplos com camas de casal King Size. Decoração alegre e repousante, com piso de cerâmica nobre.
Enfim, a hotelaria brasileira, que já se equipara às melhores do mundo, é feita da soma de pequenos detalhes que garantem um toque a mais de exclusividade em nossa já convidativa hospitalidade.

fonte:vitrinehotel.com