sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Três diferentes formas de administração hoteleira


  1.   Hotéis de marca ( redes)
  2.   Hotéis independentes -  administrado por hoteleiro   
  3.   Hotéis independentes -  administrado por proprietário (dono)

Quero destacar aqui que tenho conhecimento e experiência dentro dessas três formas de administração hoteleira, pois atuei e continuo atuando nesse universo fantástico – hotelaria.

Uma das piores experiências que já tive e acredito que muitos colegas Gerentes gerais, também concordam foi gerenciar um hotel independente  onde o proprietário é um investidor e não um hoteleiro, ou seja os famosos  donos de hotéis. Não há nada mais desagradável você ouvir de um proprietário que “ ele é o dono e é quem manda no hotel”.

Lembro  muito bem em que um determinado dia, estava em uma consultoria  com  um  “ dono de hotel”, e   ele  teve o disparate de dizer:

“ Vocês consultores, se julgam tão competentes e sabedores do assunto, porque vocês não tem seus próprios  hotéis? Eu que não entendo de nada tenho o meu!

Respondi com a seguinte comparação: “Da mesma forma que um competente médico presta serviço num hospital, não quer dizer que ele deva ter o seu próprio hospital!”

A diferença entre operar um hotel de forma independente e com uma marca é o grande desafio dos GG’s, o conceito de uma marca hoteleira carrega valores simbólicos que podem ser sentidos na prática, apenas quando se observa a infraestrutura do empreendimento aliada aos serviços oferecidos. Contudo, de fato, qual o valor de uma marca – regional ou global – para o investidor ou proprietário hoteleiro?
Antes de tudo, é muito importante conhecer bem o seu público para saber em qual perfil de empreendimento ele se encaixa. “De forma independente você pode personalizar os serviços, agregar valor. 
Com uma rede você tem a consistência de serviços e produtos, além da otimização das operações e dos custos”,  Marca é um compromisso, cria-se uma expectativa nos clientes.

Sobre a questão da padronização das operações, versus a valorização do local em empreendimentos hoteleiros, é preciso manter um nível de padrão para não perder o conceito da marca, mas deve-se fazer isso sem esquecer os aspectos locais. Os males da padronização em excesso.
Padronizar é muito valioso, pois você cria uma escala e isso dá volume aos investidores. Mas se você exagerar pode perder hóspedes por não conseguir atender aos seus anseios”.