segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

O MELHOR HOTEL DO MUNDO!



Se perguntarmos qual é o melhor hotel do mundo,nos vêem logo a mente o Burj Al Arab  em Dubai, correto? Errado!  Segundo a Forbes, o hotel Villa d’Este que fica na Itália é considerado o melhor hotel do mundo. Foi inaugurado no ano de 1873. Está em meio a mais de dez hectares de árvores e flores, ou seja, paz e sossego garantido.


Sua beleza é incontestável, decoração do local reúne luxo e conforto. São 152 quartos, sendo 68 de casal, 67 suítes comuns e as outras são suítes presidenciais. Conta ainda com villas privativas.
A paisagem que rodeia o Hotel, tem o melhor da região, relevos típicos do norte italiano: são lagos, bosques, e montanhas que são cobertas por neve no inverno, no verão é possível passar por trilhas perfeitas para caminhadas.


Lá você vai encontrar: ar condicionado, jacuzzi, TV por satélite com pay per view, internet de alta velocidade, minibar, roupões de banho e chinelos personalizados. E é óbvio que a boa comida não poderia faltar, por isso o hotel conta com 5 pólos de alimentação.



Possui piscinas e saunas para todos os gostos e climas. Para quem gosta de esporte, vai encontrar trilhas, esqui, vela, windsurf, canoagem e muito mais.



 



Não é atoa que foi eleito o melhor do Mundo!

ATENDIMENTO VIRTUAL, UMA TENDÊNCIA?



A matéria a seguir foi extraída da revista Hotelnews. Sou muito receptivo as tendências tecnológicas, neste caso especificamente o atendimento humanizado que é o fator determinante em qualquer hotel vai perdendo o glamour da hospitalidade, é preciso sim, ter a tecnologia como uma ferramenta de apoio, mas não é o que tenho visto, ainda os hotéis que aderiram a essa ferramenta pecam no atendimento personalizado e humanizado. Hipoteticamente falando, faço minha reserva online, chego no hotel, faço meu check in via terminal de computador, e as duvidas? tais como andares, detalhes do apartamento, para qual lado, etc. Tudo isso é preciso ainda manter um atendimento humano.

“Não foi só o know how na implantação de sistemas de revenue e yeld management que a hotelaria importou do setor aéreo. Quando faz cada vez mais sentido a máxima de que tempo é dinheiro, os hotéis não estão hesitando em buscar soluções que agilizem o atendimento na recepção, que começa e termina sempre com a burocracia do check-in e check-out.

“Quando observamos o mercado, um aspecto fica muito claro: velocidade e tamanho. Estas são as palavras que têm mobilizado a indústria em prover soluções que propiciem mais rapidez e ocupem menos espaço físico. Embalada por conceitos de marketing, a indústria tem cunhado o termo “nuvem” como forma de atender à crescente demanda. A próxima onda será a da “mobilidade”, para a qual diversos aplicativos estão sendo desenvolvidos para serem utilizados em smartphones e tablets. Entretanto, quando consideramos a cadeia produtiva, existem atividades que ainda não podem ser substituídas totalmente por tecnologia, pois dependem de informações físicas (papel), a exemplo das notas fiscais, pois muitas empresas ainda não migraram para o meio eletrônico”, pondera o diretor da TX Consultoria, Avelino Alves, para quem tudo não passa de uma questão de tempo.
De acordo com o diretor, as iniciativas que se tem observado ainda não estão integradas com os sistemas de reserva”Muitos deles apenas substituem o formulário físico pela internet. O amadurecimento do setor atrelado à entrada de grandes provedores de informação, sustentados por tecnologia de ponta, pode colaborar com essa situação e agilizar, efetivamente, a implantação do check-in express na hotelaria”, explica.
Tampouco o meio de pagamento eletrônico – outra medida nesse sentido apontada pelo diretor da TX – tem sido adotada com a intensidade desejada, na sua avaliação. “O faturamento deve ser substituído na medida em que a indústria apresente soluções cada vez mais integradas com as reais necessidades das empresas e fornecedores, tais como prazo, informação e documentação. Quando olhamos o mercado brasileiro, existem barreiras que vão exigir muito esforço para sua reformulação/regulamentação, como é o caso de carga tributária e reconhecimento das faturas dos cartões como documento fiscal. Motivados pelo aquecimento da demanda atual e futura, o setor terá que repensar seu modelo de negócio para fazer frente à necessidade crescente de simplificação, integração e, principalmente, redução de custos”, considera.
Quem já experimentou
A Hotelaria Brasil deu o start no processo adotando um balcão de auto check in no Matiz Guarulhos. Com o novo serviço, o hóspede faz toda a reserva e pagamento online, deixando apenas para fazer o check in pessoalmente, evitando a fila de atendimento na recepção. “Chegando ao hotel, o hóspede só precisa dirigir-se ao totem do auto check in, digitar o número da reserva ou CPF, gravar sua chave magnética e seguir para o apartamento. Todo o sistema é amigável com interface prática e simples”, explica Yara Abreu, gerente administrativa da Hotelaria Brasil e uma das idealizadoras do projeto.
Mauro Kaluf, diretor de Operações da Hotelaria Brasil, acrescenta que o auto check in faz parte de um plano de vendas de maior dimensão para o mercado eletrônico, já que desde junho de 2010 a rede fez sua estreia nas mídias sociais com inserção imediata no Twitter, Facebook, Orkut, Blog e canais de vendas de viagens pela internet. “A expectativa é de aumentar de 15% para 25% o número de nossas vendas na internet no primeiro ano após a instalação do sistema e do terminal, que tem em Guarulhos o seu piloto”, informa Kaluf.
A implantação fora do Brasil está em franca expansão e contabilizando receita para quem saiu na frente desenvolvendo expertise no setor. Este é o caso, por exemplo, da Atos, empresa internacional de Tecnologia da Informação responsável pela implementação do sistema em mais de 250 máquinas de auto-atendimento em operação no Reino Unido que, juntas, respondem pelo processamento de mais de 1 milhão de operações agilizadas. Fora do Reino Unido, um dos clientes mais novos é o Yotel Nova York, na Times Square, a primeira unidade da rede localizada fora de um aeroporto.
O sistema de reservas do novo Yotel é totalmente integrado ao quiosque de auto-atendimento da Atos e quando um hóspede se registra no terminal, suas informações são cruzadas com o sistema de reservas juntamente com detalhes de pagamento, e uma chave-cartão criptografada é emitida. Na saída, basta inserir o cartão no quiosque para pagar a conta.
Sistema personalizado

Sérgio Paraíso, gerente de Vendas e Marketing da Pontes Hotéis & Resorts, buscou a parceria da PMWEB, empresa gaúcha especializada em marketing digital e CRM (gestão de relacionamento com os hóspedes e clientes) para o mercado de turismo. Nos três hotéis do grupo - Mar Hotel e Hotel Atlante Plaza, em Recife, e Summerville Beach Resort, em Muro Alto, todos em Pernambuco - foi implantado um sistema de reservas personalizadas via internet que funciona de maneira fácil e rápida sendo necessário apenas efetuar um simples cadastro. "Na própria reserva é possível incrementar a hospedagem solicitando transfer, serviço de núpcias ou até uma bebida do seu agrado para receber no apartamento durante a estada", Sérgio Paraíso.

Outro projeto que está atualmente em desenvolvimento na rede, com a implantação prevista para 2012, é o de um programa de software que possibilitará o check in via web. “Essa iniciativa também vai agilizar o processo de entrada do hóspede em nossos hotéis. No momento em que ele fizer o check in pelo nosso site, o código da reserva será a senha online para obter a sua unidade habitacional (UH) sem ter de passar pelo balcão de registro. Futuramente desenvolveremos, ainda, uma interface via web com acesso a informações sobre a estada no hotel, como dados de registro e alterações de reserva, entre outros. Com isso, o hóspede poderá acompanhar a conta parcial por apartamento sem necessidade da interferência do staff de recepção, de forma prática e antes mesmo do check out”, antecipa o gerente, que vê na solução uma forma inovadora de acompanhamento de despesas, o que é uma vantagem adicional ao público, especialmente o corporativo.”
                                                                                                                            fonte: revistahotelnews