terça-feira, 24 de abril de 2012

Cursinhos “ enlatados ” de Hotelaria


 
O mercado aquecido, vésperas da copa do mundo, com a expectativa do gigantesco crescimento do turismo no Brasil, a mão de obra para a indústria da hospitalidade ficando cada vez mais competitiva.
O que vemos é a proliferação das franquias de cursinhos no país inteiro para atender a demanda da escassa mão de obra hoteleira.
Essas franquias, na sua grande maioria não são especializadas no ensino da hospitalidade, aproveitam se da demanda e oferecem um leque de cursos para todos os gostos, com um único objetivo, lucro!
Contratam pseudo-instrutores sem a mínima qualificação para ministrarem as aulas, elaboram uma grade curricular enchem as salas de alunos pagando mensalidades e formando profissionais medíocres, ou seja vendendo certificados e afirmam que  estão colaborando com a educação profissional, pura ilusão!
Visitei várias dessas escolinhas profissionalizantes e percebe-se que os pseudo-professores são pessoas totalmente despreparadas para ministrar uma aula de hotelaria, na sua grande maioria  nunca trabalharam na área, quando formados, são de áreas completamente diferentes, é mais ou menos assim: o fulano é formado em letras e vai dar aula de gastronomia porque está desempregado ou quer fazer um bico!
O que se vê por ai, é uma grande enganação onde não há um órgão fiscalizador da qualidade dessas escolinhas, acho que deveria ter sim uma fiscalização tal como um MEC que controla os cursos superiores.
Minha sugestão é a seguinte: desconfie de franquias que oferecem cursos para todos os gostos, indubitavelmente você não vai aprender nada e sim gastar seu dinheiro, procure saber quem é o professor, sua qualificação, experiência, e competência naquela disciplina que ministra. Por exemplo: se  você está procurando um curso de garçom, procure saber  se o professor é um profissional que já atou como garçom ou atua, e em qual empresa  ele é profissional, se já tem experiência  em hotéis de luxo, restaurantes finos, etc. como professor dessa disciplina, ele tem que ser expertise.
Para concluir, acrescento:  não se iluda com apostilas, grade curricular e certificado.  Se preocupe com o nível de informação e cultural  do professor, pois seu sucesso dependerá exclusivamente dele e não da escola.