terça-feira, 19 de junho de 2012

QUAL PRODUTO HOTELEIRO VOCÊ ESTÁ OFERECENDO AO MERCADO?



Recentemente fui chamado numa consultoria de um projeto hoteleiro de médio porte, lá encontravam se, o engenheiro, o arquiteto e o empreendedor e claro não poderia faltar  a sua esposa.
Havia uma discussão quanto ao número de unidades habitacionais a estrutura poderia oferecer. Logo percebi o amadorismo de todos no que diz respeito a um empreendimento hoteleiro, e por essa razão fui chamado.
O empreendedor um senhor distinto, dono de muitas propriedades, fazendas e imóveis numa cidade do interior, tinha ouvido falar que hotel era um bom investimento e para tanto, escolheu um dos seus terrenos para construir o melhor hotel da cidade, convidou um arquiteto para desenhar o projeto.
O proprietário queria um hotel com 180 UH’s, O arquiteto o fez com 150 e sua esposa  queria um gigantesco salão de festas com capacidade para 800 pessoas. E cada um dava  seus pitacos e explicações sem base.
 Depois que ouvi cada um deles, coletei informações, pedi para ver a planta do projeto e tão logo percebi os erros absurdos na estrutura do empreendimento.
Também percebi que o pivô da discussão era as unidades habitacionais, o dono queria 180, mas o arquiteto informava que ficaria melhor com 150 e a esposa do dono queria  o seu suntuoso salão de festas.
Logo perguntei –

“Cadê o estudo de viabilidade do empreendimento?”
“Estudo do que?” perguntou o dono.
“ Estudo de viabilidade...”  expliquei rapidamente para que assimilassem facilmente.
“ Não, ninguém fez isso não!,” 

- Continuei...
quanto o senhor pretende cobrar pela diária do seu hotel?”
“ Bem... não sei exato... mas acho que... deixa eu pensar... Ah!  o hotel de fulano cobra X   e o meu como será o melhor, vou cobrar X”

Naquele momento...
“ senhor! Se realmente o senhor quer construir um hotel e acredito que a cidade ofereça uma boa demanda, precisamos começar do zero! Esqueçam esse projeto e vamos desenhar um novo”

“Mas e o meu salão de festas? – a Sra esposa perguntou.

“ Muito bem, inicialmente precisamos saber se temos público para oferecer um produto (Salão de festas),para 800 pessoas e porque a senhora o exige?

“ Eu fui num baile  lá na cidade da minha filha e o hotel tinha um salão  belíssimo e já que vamos construir o nosso hotel,nada melhor que ter um salão a altura.

“Entendo.”  disse.

Como vimos esse cenário é muito comum! Os empreendedores hoteleiros de primeira  viagem, cometem erros  básicos. Estão sempre colocando a carroça na frente dos bois! A gestão de tarifas e preços são baseadas na do concorrente, um erro que poderá trazer sérios problemas futuros. Há de se saber que cada hotel tem sua política de custo, de compras, de fornecedores, etc. e que inviabiliza uma receita saudável, entre outros fatores.
Aquela senhora, esposa do proprietário, até mesmo por uma questão de capricho estava visualizando uma idéia de salão de festa baseado segundo ela, em um hotel que visitara em outra cidade. Não entendendo a dinâmica de uma operação hoteleira, se o hotel tinha o perfil para atender um salão dessa magnitude, e sem mesmo saber se havia mercado para tal produto.
Quanto a quantidade de UH’s que se discutia, outro erro clássico dos pseudos-hoteleiros é acreditar que quanto maior for o número de apartamentos, maios será a receita. Já se sabe que um hotel com 50 UH’s  poderá ter uma receita superior   e melhor do que um de 100, nós hoteleiros chamamos isso de gerenciamento de receita que depende do valor dos serviços que agregam cada hospedagem.
Os profissionais envolvidos, neste caso especificamente o arquiteto e o engenheiro, ambos com conhecimentos em suas respectivas áreas, porém  na hotelaria deixava a desejar.
Para concluir, observa-se que não é tão simples assim lançar um empreendimento hoteleiro apenas baseado em informações subjetivas. É preciso conhecer profundamente o ramo hoteleiro e não esquecer  em primeiro lugar, consultar um profissional de hotelaria.