quarta-feira, 23 de março de 2016

RM-Revenue Management  na hotelaria  independente

Falar  em RM  para alguns donos de hotéis  é um bicho  de sete cabeças! Mais parece que estamos sendo arrogantes e subestimando os  empresários do segmento hoteleiro. Certo dia um  proprietário quase  me  engole  quando  comecei  a falar  sobre  essa  ferramenta e quase me bate  quando  perguntei  sobre  seu  RavPar!
Muitos  ainda  são resistentes aos novos  conceitos  da hotelaria moderna, ainda mantém  seus  hotéis  para  alugarem quartos em vez  de venderem  serviços, é  impressionante! Depois  ficam culpando  a crise e a  concorrência por suas baixas  taxas de ocupação  em seus empreendimentos.

De uma maneira  simplificada  vou explicar o que é RM. Pois trata-se de Gestão de Receitas!
Este tema RM tem merecido um destaque importante nos setores da hotelaria e turismo,  vem sendo vulgarmente conhecido por revenue management.

A gestão de receitas é uma função através da qual se pretende maximizar as receitas de um negócio, utilizando estratégias e táticas que permitam identificar micro-segmentos de mercado, otimizando-se a disponibilidade do produto e o seu preço, para cada um dos segmentos identificados. Esta função é, por isso, uma forma sofisticada de gestão da oferta e da procura, através da manipulação do preço e da gestão da capacidade disponível. Existem diversos autores que referem que a aplicação de um programa de gestão de receitas ajuda as empresas a vender o produto certo, na hora certa, ao cliente pretendido e ao preço certo.
Os programas de gestão de receitas começaram a ser desenvolvidos no final dos anos 80, especialmente em empresas de companhias aéreas, posteriormente tendo o seu uso conduzido à obtenção de resultados bastante positivos na hotelaria.

Muito comumente praticado  pelas  cadeias  hoteleiras, atualmente a  hotelaria independente começou  a perceber  que essa  ferramenta  é de fundamental importância nas  suas operações.
Um programa de gestão de receitas (RM) para ser implementado com sucesso deve ser focalizado no preço de venda e não nos custos. Para equilibrar a oferta e a procura, deve substituir o preço baseado no custo pelo preço baseado na procura do mercado, deve reservar uma quantidade suficiente do produto para os clientes de maior valor, deve explorar o ciclo de valor do produto e deve reavaliar continuamente as oportunidades para gerar receitas.

Métodos e técnicas

Os métodos e técnicas adotados num programa de RM, gestão de receitas podem ser extremamente sofisticados, como aqueles que são utilizados atualmente nas companhias aéreas, ou podem utilizar-se aproximações mais simples como algumas desenvolvidas por redes  hoteleiras. Quando os hotéis começam a adotar técnicas deste tipo utilizavam um gráfico de controle da procura, no qual se representa a procura esperada para determinado período em função do número de dias em que a reserva é efetuada. Se para determinado dia o hotel recebe mais reservas que o esperado, a procura é considerada elevada e o desconto no preço dos quartos reduzido ou eliminado. Pelo contrário, quando o hotel recebe menos reservas que o esperado, é lançados campanhas promocionais e descontos no preço para tentar aumentar a procura. 

VISUAL DOS COLABORADORES DO HOTEL


A  primeira  impressão  é  a que  fica! Todos  conhecem  esse ditado, pois na  hoteleira  é sagrado , desde a equipe de limpeza, jardineiros, a equipe de manutenção e principalmente a equipe de linha de frente, garçons, recepcionistas e mensageiros.
Se há algo mais desagradável e repugnante é  encontrar  um garçom ou um recepcionista  com barba  por fazer, hotelaria  é beleza e estética. A  higiene pessoal é  fator determinante para que a  harmonia se mantenha  por toda  equipe. Os  recursos  humanos do hotel tem a obrigação de ministrar exaustivos treinamentos aos seus colaboradores, as chefias setoriais devem supervisionar diariamente seus subalternos.
No  restaurante (A & B )  é preciso:

- Sentir  o “cheiro”  dos  garçons, pois essa  turma  circula muito  no hotel, eventualmente suam e podem ao longo  do  turno sem perceberem, exalarem odores  desagradáveis  e  seria  um desastre para a imagem do hotel. O maître d´hotel deve  inspecionar pessoalmente sua equipe: as unhas, meias, sapatos, uniformes, cabelos, orelha, nariz, o hálito, dentes, e não  tão menos importante, o  linguajar da  equipe e, como  regra, nada de gírias!

No mesmo consenso, os demais  setores  devem sim apresentar os  mesmos  requisitos para  sua  equipe, obviamente há  setores  como menor grau de exigência, mas nunca  abrir exceção para a higiene  pessoal.

Para as mulheres, as regras são as mesmas  quanto ao requisito higiene. Alguns setores  exigem  cabelos  presos, nada de unhas coloridas, muito menos  brincos  ridículos que mais parecem ciganas.