segunda-feira, 16 de maio de 2016

Os hotéis "Senzala" deste país


Hotéis  Senzala

                                           Eles  vendem essa ideia  para seus clientes!

                                      Os clientes logo  imaginam   que  tudo  é assim...


         Mas  na  realidade  é assim...local onde  é feito seu lindo e delicioso risoto de frutos do mar...



Estamos em Pleno século XXI, mas lamentavelmente ainda encontramos estabelecimentos ditos  hotéis, com regimes que poderíamos chamar de trabalho escravo. Infelizmente ainda existe regiões por esse país afora com essa pratica lastimável.
Longe dos holofotes do ministério do trabalho e da supervisão das autoridades competentes, encontramos estabelecimentos desastrosamente administrados por famílias sem o mínimo de escrúpulos. Vendem seus estabelecimentos para o mercado  como se  fossem empresas idôneas, sérias, politicamente  corretas, mas  que  na  pratica,  são  verdadeiros  currais de senzala, literalmente.
Tratamo-nos de alguns estabelecimentos rurais, tipos hotéis fazenda em plena atividade. Adentramo-nos nos bastidores desses empreendimentos e deparamos com os horrores da idade média!
Nas mídias  sociais, nas  revistas e até mesmo  nas  agências e operadoras  vemos  anúncios  desses  hotéis, com lindas imagens de famílias felizes, tudo perfeito,  como se  fosse  um paraíso. Mas não percebemos que por  trás dessas propagandas, existe uma  mão de obra  escrava e  bastidores que mais  se assemelham as  masmorras das  senzalas.  As agencias  e operadoras  desconhecem ou sequer querem saber  como vão hospedar  seus clientes, fazem  seus “famtur”,  suas  visitas  técnicas  apenas  no  externo, mal sabem  que tudo é maquiado para  receber os agentes e  coordenadores. Mas sequer  exigem documentos, laudos técnicos,brigadas de incêndio, certificações legais, etc.  documentação, bem como  todos  esses  detalhes, como por exemplo, nos serviços de Alimentos e Bebidas:

·        Certificado do Curso de Boas Práticas dos funcionários;
·        Atestado de Saúde Ocupacional dos funcionários do hotel;
·        Utensílios apropriados para armazenamento dos alimentos e bebidas
·        Disponibilização de fardamento adequado das brigadas com trocas diárias.
·        Certificação de Higienização de todos os reservatórios de água
·        Os laudos das análises bacteriológicas da água de consumo
·        Atestado de Regularidade dos Bombeiros, Licença Sanitária, Meio-ambiente;
·        Certificação da empresa de dedetização.
·        Banheiros adequados para funcionários com abastecimento com  papel higiênico, papel toalha e sabonetes bactericidas;
·        Adequação de todas as lixeiras da cozinha, bar e banheiros
·        Local adequado para o armazenamento do lixo;
·        Certificação da empresa para coleta do óleo proveniente das frituras e  caixas de gordura;
·        Disponibilização de sabonete bactericida para lavagem de mãos. 

Acima foram listados condições mínimas que uma  operadora e /ou  agencia  deveria exigir  para firmar  um contrato de parceria  com esses  estabelecimentos.
Mas nada  disso é praticado  nos  hotéis  Senzala. Os coronéis que administram esses lugares, só  estão lá  por comodismo  e   por  conveniência,  são  os  famosos carrascos da senzala, os jagunços  pagos  pelos  seus senhores, e ai daquele  que faça  menção de  exigir  alguma  coisa, não  duvido  que  pode ser levado  até  para  o tronco.
Não  adianta  ficar trocando pedidos de desculpas  por e-mails ou no TripAdvisor, etc. com os  clientes, quando sequer, compram uma  luva para o funcionário da limpeza. Não  adianta contratar a  galera de Propaganda e Marketing e gastar quantias  enormes em produção de vídeos, prospectos, out-doors sendo que o  funcionário sequer tem um uniforme digno para usar no seu  ambiente de trabalho, na  realidade, se quiserem seus  empregos,  que  tragam uniformes de casa, essa  é a regra, aliás, é a  lei! Dormem e fazem suas  refeições  em ambientes completamente  desumanos, sem nenhuma  estrutura de higiene e qualidade. Os alimentos servidos para eles são como  rações para  animais, menosprezam seus funcionários, os tratam como se fossem  propriedades,  como se fossem  gado.
Os proprietários  são  os “senhores  do  engenho”, criaram paradigmas passados  de geração em  geração, onde acreditam  que por darem uma  oportunidade de emprego  a  um pobre e digno matuto, estão  fazendo um grande  favor.
Quando me refiro ao um pobre matuto, estou me referindo exatamente a esse pobre coitado que já tem uma experiência de vida difícil na roça, famílias humildes da roça, que se sentem agradecidos por terem  um emprego, mesmo que sejam  em condições desumanas. Numa conversa com um deles, eu perguntei  por que  ele sujeitava-se a tais condições de trabalho? E, com sua ignorância respondeu: “ Aqui  é melhor que ficar  o dia  inteiro trabalhando no roçado sob um sol  escaldante”. E para minha surpresa,  ele se dirige  e faz a seguinte pergunta:
Senhor Leonardo, o  que é na  verdade tirar  férias?

Eu perguntei por quanto  tempo  o jovem rapaz trabalhava  naquele hotel, e prontamente  me responde:
-Eu  trabalho aqui  já faz  quatro anos!
E nunca tirou férias?
-Nem sei  o que  isso, só ouço  falar!
Ah  então  você  vendeu  suas férias?
-Não  entendi senhor Leonardo, vender férias? Como assim?

Na verdade, esse funcionário   mesmo  tendo uma carteira de trabalho registrada, lhe  era  negado  saber  dos  seus  direitos. Nunca lhe pagaram as férias, bem como as multas, resta saber se realmente depositam seu  FGTS.
Uma palestra de conscientização de direitos e deveres para os colaboradores, associado a treinamentos pontuais, estrutura e equipamentos modernos, sem duvida elevaria o nível de motivação, satisfação e qualidade no ambiente de trabalho, mas  no Hotel Senzala  isso  seria uma  utopia, jamais alguém se atreveria a sequer comentar sobre essa possibilidade.
Os Recursos Humanos do Hotel Senzala, só tem o nome de RH no  e-mail, mas na prática é apenas para carimbar  carteiras de trabalho.
O Hotel Senzala tem o disparate de cobrar os 10% dos seus clientes e não repassá-los para os colaboradores! E todos aceitam essa condição justamente por ter medo de reivindica-los. Pois sofreriam represálias, são condicionados ao medo, a punição, a demissão!
Além dos funcionários trabalharem em uma estrutura precária, sem condições mínimas de higiene e profissionalismo. Os hóspedes, clientes, funcionários e até mesmo os próprios  proprietários  recebem uma alimentação sem qualidade, perigosa e capaz de levar todos  para o hospital.
Tristemente ainda existem tantos  Hotéis Senzala por esse Brasil a fora, cabe a nós profissionais da hospitalidade  educar esses proprietários a comprarem a ideia de excelência  em serviços  hoteleiros, consequentemente melhorarão suas receitas e  baixarem  seus  custos operacionais. Precisam se conscientizar  que o sucesso de suas  empresas  dependem exclusivamente  do patrimônio intelectual,  seus  colaboradores!  A  blindagem cultural também contribui e muito para cristalizar essa  cultura  em muitos desses estabelecimentos, as vezes é  compreensível a postura de algumas famílias quanto a gestão de suas propriedades. Mas é  fundamental  entender que um hotel  fazenda  é  para uso de hospedagem comercial, ou seja, muito diferente de uma fazenda de propriedade particular, enquanto muitos  ainda trazem a  hierarquia familiar  para dentro das suas empresas gerando assim um desconfortável entendimento administrativo.

Nada contra famílias gerenciando seu negócio, porém não deixa de ser importante a competência profissional de cada um  no organograma, bem como seus papeis bastante  definidos na organização.

Eu trabalhei num majestoso hotel cinco  estrelas totalmente administrado pela  família, onde o neto, sobrinho, irmãos e até  o patriarca de 85 anos estavam envolvidos  nas  operações diárias do hotel, famosos pela tradicional família de hoteleiros  europeus por mais de cinco  gerações, tudo funcionava harmonicamente perfeito dentro do hotel. Mas cada um tinha seu cargo bastante definido dentro do hotel, mas poucos com cargo de gerencia! Hierarquia  familiar  naquele  hotel era completamente ignorada.

Quanto aos  donos  dos  hotéis  Zenzalas,  eu os perdoo pois acredito  que foram mal apresentados ao ramo de turismo e hotelaria, de certo serei bastante coerente em entender a resistência de alguns em quebrar seus paradigmas e as vezes mudar crenças passadas de gereção em geração e não  vai ser um Consultor  que irá criar  essa mudança  facilmente.

Mas eu acredito que  a nova  geração de filhos dessas  famílias poderão injetar uma visão menos arcaico como seus pais e avós! Afinal, o próprio fenômeno do turismo irá ensiná-los!